Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

28/12/2016 - 18h52min. Alterada em 28/12 às 19h16min

Dólar fecha em leve alta com exterior; veto do governo limita avanço

O dólar fechou em leve alta frente ao real nesta quarta-feira (28), acompanhando o movimento do câmbio no exterior. Lá fora, as expectativas em torno do governo de Donald Trump nos Estados Unidos continuaram a alimentar o avanço ante divisas de economias desenvolvidas. O Dollar Index, por exemplo, subiu durante a tarde à máxima de 103,630 pontos (+0,59%).
Por aqui, as atenções dos investidores se concentraram no veto do governo sobre trechos do projeto de lei que prevê a renegociação das dívidas dos Estados com a União. Ainda que bem visto por parte do mercado, o posicionamento do Planalto teve efeito contido nas cotações.
No mercado à vista, o dólar encerrou em alta de 0,05%, aos R$ 3,2775, tendo variado entre a máxima de R$ 3,2924 (+0,51%) e a mínima de R$ 3,2694 (-0,20%). De acordo com dados da BM&F Bovespa, o volume de negócios somou US$ 1,461 bilhão.
Já o dólar futuro para janeiro encerrou com elevação de 0,31%, aos R$ 3,2850, com giro de US$ 8,645 bilhões.
Em mais um dia de agenda econômica esvaziada, a novidade da sessão veio de Brasília. O governo de Michel Temer decidiu vetar a proposta de regime de recuperação fiscal dos Estados e do Distrito Federal, que estava incluído no projeto de lei que prevê a renegociação das dívidas. Devido ao trecho agora derrubado, o texto era visto como vantajoso demais para os governadores, que receberiam muitos benefícios e fariam poucos sacrifícios para a União.
No exterior, a valorização do dólar continuou a acompanhar as expectativas de que o governo do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, estimulará o crescimento econômico com gastos públicos. Especialistas lembraram que, em 2016, o Dollar Index acumula alta superior a 4,5%, sendo que todo o avanço veio após as eleições norte-americanas, no começo de novembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia