Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 28/12 às 17h15min

Juros futuros fecham estáveis em dia de liquidez bastante reduzida

Os juros futuros encerraram nesta quarta-feira (28) praticamente com as mesmas taxas dos ajustes de ontem depois de uma sessão de pouquíssimos negócios. Em parte do dia, o vencimento mais longo chegou a exibir viés de alta, enquanto o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) mais curto manteve-se toda sessão com viés de baixa. Notícias para alimentar esses movimentos, entretanto, não existiram, segundo a gestora de renda fixa da Mongeral Aegon Investimentos, Patrícia Pereira. "O 'driver' de hoje é a falta de liquidez", disse Patrícia.
Ao término da sessão regular, o DI para janeiro de 2019 marcou 11,06%, mesma taxa no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2018 marcou 11,54%, ante 11,56% no ajuste da véspera. O DI para janeiro de 2021 marcava 11,37%, nivelado ao ajuste de ontem.
Nem mesmo o veto parcial à renegociação das dívidas dos Estados com a União do presidente da República, Michel Temer, chegou a impactar os juros futuros, na avaliação da gestora da Mongeral. A decisão foi bem recebida por analistas de mercado, porque mostra o comprometimento do Poder Executivo com o ajuste fiscal em curso mesmo diante da grave crise financeira de Estados, como o Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, que nem sequer pagam seus servidores ativos e aposentados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia