Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 28/12 às 17h10min

Bolsas da Europa fecham mistas influenciadas por mineradoras e Monte dei Paschi

As principais bolsas europeias fecharam sem direção única nesta quarta-feira (28) pressionadas pelo setor financeiro, que reage com preocupação a notícias do banco italiano Monte dei Paschi. A bolsa de Londres foi a principal exceção ao longo do dia, fechando em terreno positivo após dois dias sem operações devido ao feriado de Natal. Por lá, as mineradoras foram o destaque da sessão de hoje, com fortes ganhos nesta quarta-feira.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,29%, aos 361,53 pontos. A bolsa de Londres terminou em alta de 0,54%, aos 7.106,08 pontos; Paris caiu 0,01%, aos 4.848,01 pontos, e Frankfurt ganhou 0,02%, aos 11.474,99 pontos. A bolsa de Milão recuou 0,78%, aos 19.239,39 pontos; Madri teve baixa de 0,34%, aos 9.344,90 pontos, e Lisboa caiu 0,25%, aos 4.652,01 pontos.
Em mais um dia de volumes reduzidos, as bolsas europeias não operaram em direção única, ainda com foco no Monte dei Paschi. O setor financeiro foi pressionado pela notícia de que o banco italiano deve ser resgatado pelo governo após ter falhado na busca de recursos privados para uma recapitalização de 8,8 bilhões de euros, segundo estimativas divulgadas ontem pelo Banco Central Europeu (BCE). A quantia é maior do que a inicialmente prevista pelo próprio banco, de 5 bilhões de euros.
Um socorro do governo italiano seria o primeiro desafio do novo primeiro-ministro do país, Paolo Gentiloni, que assumiu o cargo recentemente. As recomendações da União Europeia dizem que dinheiro público não deve ser utilizado para salvar bancos privados. Com isso, para o governo italiano efetivar a medida, será necessária a autorização do bloco europeu para garantir que as normas não sejam violadas.
Nesse cenário, ações de empresas do setor financeiro registraram queda nesta quarta-feira. Na Itália, o Unicredit caiu 1,20%, o Banca Popolare di Milano recuou 2,65% e o Intesa Sanpaolo registrou baixa de 0,82%. Em Londres, o Lloyds recuou 0,39% e o Barclays teve baixa de 0,09%. Em Frankfurt, o Commerzbank perdeu 1,73% e o Deutsche Bank caiu 0,11%.
Londres foi a exceção ao longo do dia. Após não operar nos últimos dois dias devido ao feriado de Natal, a praça britânica ficou no azul ao longo da sessão, impulsionada pelas ações de mineradoras. A Anglo American avançou 3,55%, a BHP Billiton subiu 4,29% e a Rio Tinto teve alta de 3,35%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia