Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 28/12/2016. Alterada em 27/12 às 21h17min

Dívida vai a 70,5% do PIB, pior resultado da história

Após sucessivos déficits nas contas públicas e sem ter economizado para pagar os juros da dívida, o governo apresentou, em novembro, um estoque de R$ 4,41 trilhões para a dívida bruta, ou 70,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Este é o maior patamar para o indicador em uma década, desde o início da série histórica. Os dados foram divulgados nessa terça-feira pelo Banco Central (BC) e mostram ainda que as contas públicas do governo geral voltaram ao vermelho após terem registrado um superávit primário em outubro. No mês passado, o rombo foi de R$ 39,14 bilhões, pior resultado para o mês desde 2001.
No acumulado do ano, o déficit primário do setor público já é de R$ 85,05 bilhões ou 1,48% do Produto Interno Bruto (PIB). A queda acentuada na arrecadação deve fazer com o que o governo apresente em 2016 o terceiro rombo primário seguido. Como o governo não está pagando os juros, o déficit nominal (que contabiliza o rombo das contas mais a conta de juros) chegou a R$ 80,42 bilhões no mês passado.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia