Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 27/12 às 19h09min

Petróleo fecha em alta após sessão com baixo volume de negócios

Os contratos futuros de petróleo subiram nesta terça-feira, 27, em mais uma sessão com baixo volume de negócios, enquanto os investidores aguardam os resultados dos esforços de grandes produtores de petróleo em reduzir a oferta global da commodity.
O WTI para fevereiro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 1,65%, aos US$ 53,90 por barril. Já o Brent para março, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), avançou 1,66%, para US$ 56,83 por barril.
A partir de janeiro, a maior parte dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vai começar a cortar a produção, como parte do acordo definido no fim de novembro. Espera-se que a redução aconteça em fases.
"O momento ainda é de alta", disse Ric Navy, vice-presidente sênior para futuros de energia na RJ O'Brien Associates. "Eu não acho que alguém vá querer atrapalhar o que está acontecendo".
Os preços do petróleo vêm subindo de forma estável em dezembro, e os analistas acreditam que os contratos ultrapassarão a barreira de US$ 60 no primeiro semestre de 2017.
"Neste momento, a maioria dos observadores do mercado estão otimistas com a participação dos países no acordo durante os primeiros meses", disse Gao Jian, analista de commodities da SCI International. No entanto, ainda será necessário verificar se cumprir o acordo será suficiente para segurar os preços num patamar mais alto, alertou Jian.
Outro fator que poderia frustrar o objetivo da Opep de reduzir a oferta global seria a alta constante do número de poços e plataformas em atividade nos Estados Unidos, que chegaram à oitava semana de alta na última sexta-feira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia