Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 11h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

bancos

Alterada em 27/12 às 12h51min

Presidente do Banco do Brasil nega que governo pressione por redução de juros bancários

"Não existe pressão em relação a isso", disse Caffarelli

"Não existe pressão em relação a isso", disse Caffarelli


Claiton Dornelles/Especial/JC
O presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffarelli, nega que o governo federal esteja exercendo pressão para que a casa reduza os juros no esforço de retomada da economia.
"Não existe pressão em relação a isso", disse, em café da manhã com jornalistas. Para o executivo, o corte das taxas liderado pelos bancos públicos nos anos recentes "não foi frutífera" e o executivo classifica a iniciativa passada como um "puxadinho" econômico.
"A ação do Banco do Brasil e a Caixa não foi frutífera ao cortar os juros porque os outros não o fizeram", disse. "Não foi correto. Temos de olhar para frente e fazer coisas consistentes. Não podemos trabalhar com um puxadinho", completou. "Não adianta forçar a redução dos juros".
Aos jornalistas, o presidente do BB explicou que os bancos têm mantido contato com o governo sobre iniciativas para redução do custo do crédito.
"A gente tem conversado com o governo e existe disposição do sistema financeiro nacional de reduzir os spreads bancários", afirmou.
"Há predisposição em acompanhar a taxa Selic de forma sustentável e não da maneira feita anteriormente", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia