Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 26 de dezembro de 2016. Atualizado às 08h57.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Vendas de Natal caíram 3% ante 2015, diz associação de lojistas de shoppings

Gasto médio dos brasileiros com presentes de Natal caiu cerca de 5% este ano ante 2015

Gasto médio dos brasileiros com presentes de Natal caiu cerca de 5% este ano ante 2015


CLAITON DORNELLES/JC
As vendas em lojas de shopping caíram 3% no Natal de 2016 na comparação com igual período do ano anterior, segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). O desempenho foi apurado por meio de pesquisa feita com 150 empresas de varejo associadas à entidade.

A Alshop considera que as famílias gastaram menos neste Natal em meio a uma restrição no acesso ao crédito, taxas de juros elevadas e desemprego. Segundo constatou a entidade com base em dados do SPC Brasil, o gasto médio dos brasileiros com presentes de Natal caiu cerca de 5% este ano ante 2015.

De acordo com o estudo, os segmentos que se destacaram em vendas mesmo diante do cenário mais fraco foram: perfumaria e cosméticos, moda, calçados, brinquedos e bijuterias e acessórios.

De acordo com projeções da Alshop, as vendas em lojas de shopping no ano de 2016 acumulam R$ 140,5 bilhões. O resultado este ano é 3,2% menor em termos nominais do que o de 2015, de acordo com o estudo.

A Alshop apresentou números da evolução histórica das vendas em shoppings desde 2004 e, segundo os dados da entidade, o ano de 2016 é o primeiro desde então em que o setor registrou queda de vendas em termos nominais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia