Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

23/12/2016 - 20h06min. Alterada em 23/12 às 20h07min

Às vésperas do Natal, bolsas dos EUA fecham em leve alta e com baixo volume de negócios

As bolsas de Nova Iorque fecharam em leve alta nesta sexta-feira (23), dia em que as margens de negociação ficaram muito estreitas em meio ao baixo volume de negócios às vésperas do Natal.
Dow Jones subiu 0,07%, para 19.933,81 pontos; S&P 500 e Nasdaq fecharam nas máximas do dia: o primeiro avançou 0,13%, para 2.263,79 pontos, e o segundo 0,28%, subindo para 5.462,69 pontos.
Os operadores descreveram mais uma sessão quieta nesta sexta-feira, depois de vários dias em que as bolsas se moveram muito pouco.
"Há, provavelmente, uma calmaria no fim do ano com as pausas para as festas. Ninguém está inclinado a fazer grandes movimentos enquanto seus chefes estão de folga", disse Rich Sega, diretor de investimentos da Conning.
Os bancos ficaram entre as ações mais ativas nesta sexta, depois dos EUA conseguir solucionar disputas relacionadas à crise de 2008 e com a Itália organizando um resgate dos seus principais bancos.
Os papéis do Deutsche Bank listados nos Estados Unidos subiram 0,3% depois do Departamento de Justiça chegar a um acordo de US$ 7,2 bilhões sobre os títulos hipotecários podres que provocaram a crise de 2008. Analistas disseram que a notícia removeu um elemento de incerteza em todo o setor bancário.
No S&P 500, o setor financeiro subiu 0,14% e acumula alta de 18% desde as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Investidores têm comprado ações de bancos apostando numa regulação mais frouxa na administração Trump e maiores taxas de juros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia