Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de dezembro de 2016. Atualizado às 18h56.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 22/12 às 19h58min

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda com alívio de rali pós-eleições

Os principais índices acionários dos Estados Unidos fecharam em queda nesta quinta-feira, 22, com o rali pós-eleições aliviando conforme o calendário se aproxima das festas de fim de ano. A atividade dos mercados diminuiu nas últimas sessões, com o volume de negócios caindo e as ações, moedas e títulos do governo se movendo em margens estreitas.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,12%, aos 19.918,88 pontos, enquanto o S&P 500 recuou 0,19%, aos 2.260,96 pontos. Já o Nasdaq caiu 0,44%, para 5.447,42 pontos.
De acordo com muitos investidores e operadores, os mercados provavelmente vão andar de lado até o fim do ano. "Poucos querem abrir novas posições tão perto do Natal", disse Lee Wild, da Interactive Investor.
Apesar da queda recente, o Dow Jones está a caminho da melhor performance para o mês de dezembro desde 2010, quando subiu 5,2%. Até agora, o índice já subiu 4%, comparado com dezembro de 2015, quando caiu 1,7%.
Os investidores estão otimistas de que as bolsas vão continuar seu rali em 2017, mas ponderam que a trajetória se apoia em melhora sequencial nos balanços corporativos e na implementação de cortes de impostos no governo de Donald Trump.
Ações ligadas a empresas de consumo lideraram as perdas na sessão, considerada fraca em volume de negócios. A Bed, Bath and Beyond, por exemplo, caiu quase 10% após reportar queda no lucro trimestral. A Gap e a Norstrom recuaram mais de 5% cada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia