Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 22/12 às 18h38min

Ouro fecha em queda em meio a dados positivos dos EUA e baixo volume de negócios

Os futuros de ouro fecharam em queda nesta quinta-feira (22), pela terceira sessão consecutiva, pressionados por dados econômicos positivos dos EUA e uma falta de volatilidade dos mercados.
O contrato para fevereiro, negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 0,22%, a US$ 1.1130,7 por onça-troy.
O Departamento de Comércio mostrou nesta quinta que o Produto Interno Bruto (PIB) do 3º trimestre expandiu ao maior ritmo trimestral em dois anos. As encomendas de bens duráveis, por sua vez, recuaram menos do que o esperado, comparado a um mês atrás.
Os preços do ouro tendem a se beneficiar de incertezas no mercado, ou de uma perspectiva pessimista para a economia, já que os investidores procuram ativos seguros. No entanto, o medo tem passado longe dos mercados. Na quarta-feira, o índice CBOE Volatility, que mede o receio do mercado de ações, chegou ao nível mais baixo desde agosto de 2015.
"Baixa volatilidade pode estar contribuindo para a fraqueza do ouro", disse James Steel, analista-chefe de metais preciosos no HSBC. "Se a volatilidade subir, o ouro pode ter um impulso".
Além disso, o volume de negócios está baixo nesse final de ano, perto das festas, disse David Govett, da Marex Spectron. "Eu não espero que vá acontecer alguma coisa entre hoje e o Ano Novo", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia