Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/12 às 20h45min

Petrobras fecha acordo de US$ 2,2 bilhões com Total que inclui venda de ativos

A Petrobras deu mais um passo para ampliar sua parceria com a francesa Total. A estatal anunciou nesta quarta-feira (21), acordo de US$ 2,2 bilhões, que inclui venda de ativos, no pré-sal e térmicas, e estudos de áreas que podem gerar novas sociedades no futuro. A Petrobras ainda voltou ao investimento, adquirindo participação de campo da Total no Golfo do México.
Por meio de fato relevante, a companhia informa que o valor inclui entrada de caixa à vista, pagamentos contingentes e investimentos no desenvolvimento da produção de ativos comuns às duas empresas.
O acordo envolve a cessão de 22,5% dos direitos na área de concessão de Iara, que inclui os campos de Sururu, Berbigão e Oeste de Atapu. A Petrobras continuará como operadora e também deterá a maior participação na área, de 42,5%.
A parceria envolve também a cessão de direitos de 35% do campo de Lapa, com a transferência da operação para a Total. A Petrobras ficará com 10% de participação nesta concessão. Há ainda a opção da Petrobras de assumir 20% de participação no bloco 2 da área de Perdido Foldbelt, no setor mexicano do Golfo do México.
Outro ponto que faz parte do acordo é o compartilhamento do uso do terminal de regaseificação da Bahia, que tem capacidade de 14 milhões de m3/dia. A parceria envolve também as térmicas Rômulo de Almeida e Celso Furtado, no mesmo Estado, com capacidade de geração de 322 MW de energia. Elas terão 50% de participação da Total.
O acordo envolve estudos conjuntos nas áreas exploratórias da Margem Equatorial e na área sul da Bacia de Santos. Está prevista ainda uma parceria tecnológica nas áreas de processamento geológico e sistemas de produção submarinos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia