Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 12h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

20/12/2016 - 08h11min.

Bolsa de Tóquio sobe moderadamente, após BoJ e projeções do governo japonês

A Bolsa de Tóquio fechou em alta moderada nesta terça-feira (20), favorecida pelo tom mais positivo adotado pelo Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) e pelo governo do país.

O Nikkei, índice que reúne as ações mais negociadas na capital japonesa, subiu 0,53%, encerrando o dia a 19.494,53 pontos.

O mercado japonês iniciou o pregão em baixa, mas se recuperou após o governo do Japão prever que a terceira maior economia do mundo irá crescer 1,5% no ano fiscal que se inicia em abril, graças à melhora do desempenho global e ao recente enfraquecimento do iene ante o dólar. Para o ano fiscal de 2016, que acaba em março, a projeção é de expansão de 1,3%.

O BoJ, por sua vez, manteve sua política monetária inalterada, após reunião de dois dias concluída hoje, mas avaliou que a economia japonesa "prossegue com sua tendência de recuperação moderada" e mostrou-se mais otimista em relação às exportações e produção industrial.

Na esteira do BoJ, o iene se enfraqueceu ante o dólar, impulsionando os papéis de exportadoras negociadas na bolsa japonesa. Foi o caso das empresas do setor de eletrônicos Sharp (+2,6%) e TDK (+0,6%).

A expectativa de crescimento mais robusto, por sua vez, beneficiou ações do setor industrial, como as da fabricante de equipamentos SMC (+0,7%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Janaina Macedo calvo 28/12/2016 13h14min
A importância dos pequenos negócios no contexto econômico e social brasileiro vem crescendo gradativamente nos últimos 30 anos, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) são alvo de atenção de analistas econômicos devido seu potencial de geração de renda e de emprego, entretanto, as dificuldades na obtenção de créditos e a pior recessão econômica da historia do Brasil, estão fazendo muitos fecharem as portas. Leiam o texto que Pedro Ivo Fator discorre sobre o tema e faz valer as dicas.