Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/12 às 20h05min

Bolsas americanas fecham em queda após Fed aumentar taxas de juros

As bolsas de Nova Iorque fecharam em baixa na sessão desta quarta-feira, 14, após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) aumentar as taxas de juros para a faixa entre 0,50% e 0,75% e sinalizar que pode elevar os juros três vezes por ano até 2019. Os principais índices acionários americanos abriram em queda, operaram em volatilidade durante a sessão e ampliaram as perdas após a decisão do Fed.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,60%, aos 19.792,53 pontos; o Nasdaq recuou 0,50%, aos 5.436,67 pontos; e o S&P 500 perdeu 0,81%, aos 2.253,28 pontos. O Dow Jones teve seu pior dia desde outubro, perdendo quase 119 pontos em relação a ontem.
O Fed elevou hoje a taxa de juros dos EUA para a faixa entre 0,50% e 0,75% e sinalizou que pode elevar os juros três vezes por ano até 2019. O BC americano ainda elevou a previsão de crescimento do PIB dos EUA para 1,9% em 2016 e para 2,1% em 2017. Em relação ao emprego, os dirigentes do Fed esperam progresso nos postos de trabalho nos próximos anos. A expectativa é que a taxa de desemprego termine este ano em 4,7% e recue para 4,5% em 2017.
"Três aumentos no próximo ano são uma surpresa, e pode levar algum tempo para os investidores digerirem isso", disse Mike Loewengart, vice-presidente de estratégia de investimento da E*TRADE. "É um indicativo de uma economia mais forte, mas com o aumento dos custos dos empréstimos, não será tão fácil para algumas empresas", afirmou.
O setor de energia liderou as perdas na sessão de hoje, influenciado, além da decisão do Fed, pela queda nos preços do petróleo. A Chevron recuou 1,24% e a ExxonMobil teve baixa de 2,16%. Além do setor de energia, o setor imobiliário e o de utilities (serviços públicos) também registraram fortes perdas nesta quarta-feira.
Por outro lado, os bancos registraram alta, com as ações do Goldman Sachs subindo 0,58%; as do JPMorgan ganhando 0,13% e as do Bank of America avançando 0,27%.
Além disso, dados da economia norte-americana foram divulgados mais cedo. As vendas no varejo subiram 0,1% em novembro ante outubro, abaixo da previsão dos analistas de alta de 0,3%. Já o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,4% em novembro, na comparação com o mês anterior, segundo o Departamento de Trabalho. O resultado ficou acima da expectativa dos analistas, de alta de 0,1%.
A produção industrial dos EUA recuou 0,4% em novembro na comparação com outubro, em um resultado pior que o previsto pelos analistas, de queda de 0,2%. Já os estoques das empresas americanas caíram 0,2% em outubro ante setembro, de acordo com as expectativas.
Por sua vez, o setor de tecnologia também foi influenciado pelo encontro entre o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, e executivos de grandes empresas da área, incluindo Bill Gates. Trump afirmou que fará qualquer coisa para ajudar o setor e disse que irá tornar mais fácil o comércio entre as fronteiras. O bilionário também elogiou o Vale do Silício no início da reunião com os executivos. Hoje, as ações do Google subiram 0,31% e as da Apple fecharam estáveis.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia