Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 14h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 13/12 às 15h14min

Kia fecha 75 lojas nos últimos 5 anos e espera queda de 35% nas vendas em 2017

Maior importadora de veículos no Brasil, a montadora sul-coreana Kia Motors fechou 75 concessionárias nos últimos cinco anos, informou nesta terça-feira, 13, o presidente da empresa no País, José Luiz Gandini. A rede de revendas, que era de 180 unidades em 2011, caiu para 105. Só em 2016, foram 20 a menos.
A Kia, que não tem fábrica no Brasil, deve terminar o ano com a venda de 10,5 mil veículos importados, na previsão de Gandini. Para o ano que vem, a expectativa é de uma redução de 35% no volume, para 6,8 mil unidades, que representa a soma das 4,8 mil unidades a que a empresa tem direito de importar com desconto no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) mais 2 mil caminhões que são fabricados no Uruguai e, por isso, não são taxados.
"Em 2017, teremos saudade de 2016", afirmou Gandini, que também preside a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa).
Segundo o empresário, o que tem aliviado os resultados da Kia é que, como há uma expressiva frota circulante da marca, as concessionárias seguem faturando com os serviços de assistência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia