Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 13h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 13/12 às 14h53min

Itaú avalia que redução na oferta de petróleo da Opep equilibra mercado

A decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de fechar um acordo para cortar a oferta da commodity equilibra o mercado, na avaliação do Itaú Unibanco. Segundo a instituição, a redução ficou acima do previsto e deve ser suficiente para trazer esse equilíbrio.
Pelo acordo da Opep, a produção conjunta dos países integrantes do cartel deve ficar em 32,5 milhões de barris por dia, quando atualmente ela está em 33,7 milhões de barris diários. Além disso, países de fora do grupo, como a Rússia, também concordaram no fim de semana em reduzir sua produção para impulsionar os preços.
Em relatório, o Itaú Unibanco prevê que o petróleo Brent esteja em US$ 54 o barril e o WTI a US$ 52 o barril no fim deste ano. Esse nível permitiria, porém, uma produção adicional dos produtores dos EUA, o que contrabalançaria parcialmente as medidas tomadas pelo cartel.
No curto prazo, o banco vê uma perspectiva neutra para o mercado de petróleo. Por um lado, há o risco de não cumprimento do acordo, que geraria viés de baixa, mas existe também a possibilidade de que países de fora do cartel se unam à iniciativa e também de que os produtores dos EUA demorem a reagir à alta nos preços. No médio prazo, o Itaú Unibanco diz que a desregulamentação no setor petroleiro no novo governo Donald Trump poderia elevar a oferta no médio prazo. "Este é um risco de baixa potencial para os preços e deve ser monitorado", destaca o banco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia