Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de dezembro de 2016. Atualizado às 16h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Alterada em 12/12 às 17h27min

Febraban prevê que crédito deve crescer cerca de 4% ano que vem

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) trabalha com um cenário de recuperação de crédito no próximo ano, com crescimento ao redor dos 4%, de acordo com o presidente da entidade, Murilo Portugal. Para 2016, segundo ele, a expectativa é de que os empréstimos totais tenham queda de 2% ou um pouco mais.
Em relação à inadimplência, Portugal disse que espera estabilidade do indicador no próximo ano. Voltou a falar que o custo do risco no Brasil, impactado pelos calotes e custos operacionais, pesa no spread - diferença de quanto o banco paga para captar e o quanto cobra para emprestar.
"A redução do spread é importante para o Brasil. É possível reduzir juro se tiver agenda organizada em conjunto com o governo, judiciário e medidas adequadas", afirmou Portugal, em conversa com jornalistas, após encontro de fim de ano da Febraban, ressaltando que os bancos seguem em negociação permanente para a recuperação de créditos inadimplentes.
O presidente da entidade disse ainda que o setor bancário não fez proposta para reformas microeconômicas, em estudo pelo governo, mas que está disposto a trabalhar junto. Ele justificou que não poderia comentar as medidas uma vez que não tem conhecimento das mesmas e que a liberação de compulsório não parece algo eficaz uma vez que não falta liquidez.
"A questão é a oferta de crédito que depende da melhora da demanda", destacou Portugal, acrescentando que o cenário para concessão de recursos já está mais positivo, sem comentar a possibilidade de uso do FGTS para o pagamento de dívidas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia