Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 11/12 às 16h50min

Christine Lagarde enfrenta acusação de negligência por caso em 2008

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, deve comparecer nesta segunda-feira em uma corte da capital da França, para se defender de acusações de negligência cometidas em 2008, quando era ministra da Economia e das Finanças.
A audiência deve durar até 20 de dezembro. Lagarde pode pegar até um ano de prisão e uma multa de 15 mil euros caso considerada culpada pela arbitragem sobre um caso que resultou em uma multa de 4,3 milhões de euros para um magnata dos negócios, Bernard Tapie, que é amigo próximo do então presidente Nicholas Sarkozy.
O julgamento e a possível condenação elevam preocupações sobre sua estabilidade à frente do FMI. A credibilidade da instituição já foi prejudicada quando seu predecessor, o francês Dominique Strauss-Kahn, foi forçado a renunciar o cargo em 2011, em meio a um escândalo de assédio sexual.
Na ocasião, Tapie processou o banco francês Credit Lyonnais por sua participação na venda de sua participação na companhia de produtos esportivos Adidas, na década de 1990. Quando Lagarde assumiu o ministério das Finanças, em 2007, ela ordenou que o caso fosse resolvido em um painel de arbitragem, o que é inusitado, uma vez que os casos do tipo geralmente vão para cortes regulares. A decisão foi tomada contra conselhos de pessoas próximas a ela.
A escolha pela arbitragem se tornou desastrosa para o Estado francês, que teve que arcar com a indenização com fundos públicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia