Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 09/12/2016. Alterada em 08/12 às 20h35min

Casco da plataformaP-68 deixa Rio Grande

Estrutura pesa 353 mil toneladas e tem 288 metros de comprimento

Estrutura pesa 353 mil toneladas e tem 288 metros de comprimento


HIAGO REISDOERFER/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
O casco da plataforma de petróleo P-68 deixou o Estaleiro Rio Grande, da companhia Ecovix, nessa quinta-feira, e segue para o Estaleiro Jurong, em Aracruz (ES), para iniciar as obras de integração. Apesar da finalização dos serviços em um empreendimento como esse ser algo que sempre causa a desmobilização de trabalhadores, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e São José do Norte, Benito Gonçalves, ressalta que esse, agora, é o menor dos problemas no polo naval gaúcho.
O dirigente afirma que a maior preocupação é quanto à possibilidade da Ecovix entrar em processo de recuperação judicial e também determinar a paralisação das operações em Rio Grande. "A gente não tem a mínima certeza do que vai acontecer, estamos correndo o risco de sofrer uma demissão em massa", teme Gonçalves.
Segundo o sindicalista, atualmente cerca de 3,8 mil pessoas estão trabalhando no Estaleiro Rio Grande. O presidente comenta que a Ecovix está discutindo com a Petrobras (sua contratante) valores e aditivos de contratos e, se não for alcançado um consenso, o complexo pode ser fechado. Gonçalves enfatiza que muito dinheiro foi investido no estaleiro e não quer crer que a estrutura seja abandonada.
"Mas essa é a direção do novo governo federal, que não deseja mais fazer obras no Brasil, e sim levar tudo para China", critica. O que será realizado no País é a integração do casco da P-68, que compreenderá basicamente instalações e interligação de todos os módulos e equipamentos da plataforma. O casco da P-68 pesa 353 mil toneladas, tem 288 metros de comprimento, 54 metros de largura e 31 metros de altura, e é idêntico aos cascos da P-66 e P-67 já entregues pelo Estaleiro Rio Grande.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia