Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de dezembro de 2016. Atualizado às 23h35.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 22/12/2016. Alterada em 21/12 às 21h17min

Briga com Lupi

O senador gaúcho Lasier Martins saiu do PDT. Lasier, que vinha ameaçando deixar a legenda desde que foi eleito para o Senado, perdeu a paciência de vez com o presidente do partido, Carlos Lupi, que ameaçou de expulsão os três senadores que votaram a favor da proposta de emenda à Constituição que institui o teto de gastos. Além de Lasier, Telmário Mota (RR) e Pastor Valadares (RO) foram ameaçados. "Saio antes da expulsão", disse Lasier.
O partido 'envelheceu'
Lasier afirma que são dois motivos para a saída: o presidente do partido, Carlos Lupi, e a ideologia do PDT. Sobre Lupi, Lasier reclama que o presidente do PDT é "ditatorial" e trata a legenda como se fosse dele. "Para ele, é melhor ficar como está. Ele sempre foi muito prepotente, nunca chamou para discutir nem para se reunir. Nunca chamou nem para um café", afirmou o senador. A insatisfação com Lupi se juntou à insatisfação com a ideologia pedetista. "O partido envelheceu, está ainda nos anos 1950, no chão de fábrica, enquanto o mundo está mudando. Eu queria mudar isso, mas não senti mais motivação. O PDT é muito agarrado ao PT, agarrado a velharias ideológicas." A decisão dói, já que o pai de Lasier era trabalhista.
Erosão da bancada
A saída de Lasier Martins confirma a erosão rápida da bancada do PDT no Senado. Antes do senador gaúcho, Cristovam Buarque (PPS-DF), Reguffe (sem partido-DF) e Zezé Perrella (PTB-MG) haviam desembarcado. O PDT também perdeu um governador. Pedro Taques, do Mato Grosso, saiu do PDT para ir ao PSDB. Nenhum deles confirma ou nega, mas corre nos bastidores do Senado que a saída tem o dedo de Lupi.
Tentativa de manutenção
A estratégia de irritar os senadores até trocarem de partido vem dando certo se o objetivo for implodir a legenda. Agora, o PDT perde o direito à liderança. Se Telmário Mota ou Pastor Valadares se irritarem, o partido perde de vez a bancada. Outros pedetistas tentaram desfazer a besteira de Lupi. O ex-deputado federal e ex-secretário de Educação Vieira da Cunha ligou a Lasier para tentar dissuadi-lo da ideia de deixar o PDT. O deputado estadual Gilmar Sossella fez o mesmo. Não deu certo. Vieira da Cunha chegou a ligar para Lupi, tentar fazer com que o presidente do PDT acordasse alguma coisa com Lasier. Sem sucesso.
Sem camisa de força
A decisão fez com que um mar de políticos visitassem Lasier para tentar puxá-lo aos seus respectivos partidos. O senador gaúcho quer anunciar a sua nova legenda depois de janeiro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia