Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 28 de dezembro de 2016. Atualizado às 14h31.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 20/12/2016. Alterada em 19/12 às 20h39min

Futuro da CEEE

Sobre a nota do Sindicato dos Técnicos Industriais de Nível Médio do (Sintec-RS), publicada na coluna Palavra do Leitor (Jornal do Comércio, 19/12/2016), a grande motivação das propostas para modernizar o Estado é focar toda a atenção da gestão pública nas áreas essenciais para os mais de 11 milhões de gaúchos. É preciso cuidar mais e melhor de segurança pública, educação, saúde, assistência social e estradas. Ao longo dos últimos anos, a CEEE apresenta limitações para operar de maneira superavitária e, por consequência, não consegue investir para melhorar os serviços prestados à população. Por isso, a decisão de governo de propor a retirada da Constituição Estadual da exigência de plebiscito para privatizar ou federalizar a CEEE e outras empresas públicas. Ao mencionar, durante palestra para empresários, a média salarial dos técnicos da Companhia, por óbvio o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, assim se manifestou para ilustrar uma das razões de a CEEE operar com desequilíbrio financeiro nos últimos anos. É um equívoco concluir que tal declaração transmitiu a ideia de que os salários da CEEE são pagos com recursos do Tesouro do Estado, como escreveu o presidente do Sintec-RS. O que precisa ficar evidente neste debate é a urgência de serem tomadas medidas corajosas para superar a crise financeira e construir um Estado com maior equilíbrio fiscal. (Secretaria da Fazenda/RS)
Extinção da FEE
Em relação ao artigo "Parece piada" de autoria de Ramiro Rosário (PSDB), vereador eleito de Porto Alegre (Jornal do Comércio, 16/12/2016), cabe uma observação: os exemplos de trabalhos realizados pela Fundação de Economia e Estatística (FEE), citados por mim, em artigo na imprensa, visaram a evitar, caso a FEE não seja extinta, que essa instituição os realize, porquanto tais trabalhos não dizem respeito aos interesses diretos do Rio Grande do Sul. Neste sentido, certamente houve um equívoco de interpretação de Rosário. Alertei-lhe, por telefone. Todavia, acredito que o referido senhor possa ser um bom vereador. (Guilherme Socias Villela, ex-prefeito de Porto Alegre e vereador, PP)
Remédios
É cada vez maior o número de medicamentos considerados "milagrosos" anunciados nas tevês, onde despontam famosos apresentadores. Não mais inserções de publicidade, mas apologia direta de medicamentos que curam tudo, das estrias, passando por cicatrizes, rejuvenescedores e chegando aos que curam até disfunção erétil e ejaculação precoce. Não dava para o Cremers e o Simers conseguirem o fim destas mentiras que enganam as pessoas? (Maria Amália de Vicenzi, Garibaldi/RS)
Corrupção
Vereadores e prefeitos sendo presos pela Polícia Federal (PF). Em Foz do Iguaçú (PR), prenderam quase toda a Câmara de Vereadores por fraudes em licitações. Está demais. Ainda bem que a PF tem prendido muita gente. (Nelson Vasconcellos, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Fabrício Barcellos Aguirre 28/12/2016 15h00min
Quanto à privatização, há que ser dito que privatizar e deixar a dívida com o estado é burrice. Quando a Gerasul (parte da Eletrosul) foi privatizada pelo PSDB, levou com ela todas dívidas e os aposentados.