Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de dezembro de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 23/12/2016. Alterada em 23/12 às 01h06min

O loteamento

Muitos dos camelôs da Rua da Praia naão pagam imposto e alguns vendem produtos piratas e até nocivos à saúde

Muitos dos camelôs da Rua da Praia naão pagam imposto e alguns vendem produtos piratas e até nocivos à saúde


FERNANDO ALBRECHT/ESPECIAL/JC
A proliferação dos informais em ruas como a Rua da Praia é notável. Sem pagar imposto e vendendo produtos piratas e até nocivos à saúde, como os óculos de sol sem proteção, hortigranjeiros a céu aberto etc. A inundação de vendedores de badulaques e breguetes veio no vácuo da ausência de fiscalização. Tomaram conta. A conclusão é que o lojista formal é um herói. Os impostos que os camelôs não pagam serviriam, por exemplo, para pagar o 13º do funcionalismo, não é mesmo?
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia