Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 20h09.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Fisco

Notícia da edição impressa de 28/12/2016. Alterada em 27/12 às 21h07min

Empresas poderão abater parte de dívida com a União

Programa de refinanciamento de débitos do governo federal é uma nova versão do Refis

Programa de refinanciamento de débitos do governo federal é uma nova versão do Refis


PRESSFOTO/FREEPIK/DIVULGAÇÃO/JC
A última quinzena de 2016 foi marcada pelo anúncio do programa de regularização tributária para refinanciamento de dívidas com o fisco e a possibilidade de alongamento de empréstimos com o Bndes. O objetivo da União é aliviar o caixa das empresas e tentar tirar o País da recessão. O programa de refinanciamento de dívidas é uma nova versão do Refis, muito utilizado durante os governos petistas e que será criado por medida provisória. O governo estima uma arrecadação de R$ 10 bilhões em 2017 com o programa. 
A Fazenda chegou a resistir à proposta, mas foi convencida pelo Planalto a adotá-la. "São medidas que vão permitir que as empresas voltem a produzir e crescer, abrindo espaço para contrair mais crédito e gerar empregos", afirmou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante o anúncio das medidas econômicas, adotadas com o objetivo de lançar uma agenda positiva para o governo de Michel Temer em um momento de forte crise política no País.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia