Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 29 de janeiro de 2017. Atualizado às 18h15.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 30/01/2017. Alterada em 29/01 às 19h16min

A era dos negócios disruptivos

Paulo Beck
Em tempos onde a tecnologia está presente em todos os processos de produção e que a economia compartilhada subverte modelos de negócios consagrados, um sentimento de assombro aflige profissionais e empresas. Será que antigos serviços estão ficando obsoletos?
Para mim, a resposta é sim! As empresas hoje precisam inovar, mas é muito caro inovar pelos riscos. As startups estão aí justamente para arriscar e através delas as empresas já consolidadas podem receber inovação e se destacar no mercado. Com a minha experiência em gestão de empresas internacionais de tecnologia, como Hewlett-Packard (a HP), por exemplo, acabei me tornando um empreendedor em série atuando em empresas criadas para resolverem grandes problemas corporativos, como a Potenza, XCORP, Fusion e NAEVIA.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia