Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de novembro de 2016. Atualizado às 13h28.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Assembleia Legislativa

Notícia da edição impressa de 29/11/2016. Alterada em 29/11 às 14h33min

PEC que extingue Tribunal Militar pode voltar à CCJ

Tribunal de Justiça Militar, na avenida Praia de Belas, tem despesa de R$ 40 milhões ao ano

Tribunal de Justiça Militar, na avenida Praia de Belas, tem despesa de R$ 40 milhões ao ano


MARCO QUINTANA/JC
Marcus Meneghetti
Com o pacote de medidas enviado pelo governo José Ivo Sartori (PMDB) para a Assembleia Legislativa na semana passada, no qual figuram projetos que propõe extinção de estruturas do Estado para diminuir custos, um antigo debate voltou aos corredores do Parlamento: a extinção do Tribunal de Justiça Militar (TJM), que custa cerca de R$ 40 milhões aos cofres públicos.
O deputado Pedro Ruas (PSOL), autor da última proposta de emenda à constituição (PEC) que propunha a extinção do órgão, no ano passado, pediu a redistribuição da matéria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia. No ano passado, quando recebeu parecer favorável - ou seja, considerava a matéria constitucional - da então relatora, deputada Manuela Dávila (PCdoB). Entretanto, foi rejeitado pela maioria dos parlamentares que compunham o colegiado.
Por isso, o texto foi distribuído entre os parlamentares que consideraram a matéria inconstitucional, para um novo relatório. Pozzobom que, mais de seis meses depois, deve entregar o seu parecer nesta semana - defendendo a inconstitucionalidade do projeto.
"A PEC altera o artigo 104 da Constituição, que prevê a existência do TJM. E, segundo o artigo 58, os deputados podem emendar a Constituição. Ou seja, a matéria é constitucional", afirmou Ruas. 
Por outro lado, tanto Pozzobom quanto o juiz-presidente do TJM, Fernando Guerreiro de Lemos, defendem que "só o Judiciário pode alterar ou extinguir os seus órgãos". Além disso, sustentou que, por trás do projeto de extinção do órgão, está a tentativa de desmilitarizar a Brigada Militar - com o que não concorda.
"O brigadiano é treinado para andar armado e, em algumas situação excepcionais, até para matar no cumprimento do dever. Por conta da excepcionalidade das suas atividades, precisa de um órgão para controlá-lo. Esse é o papel do TJM, controlar e qualificar a Brigada", argumentou Lemos. O juiz-presidente sustentou ainda que "a extinção do TJM não faz sentido, em um momento em que toda a sociedade está fazendo um debate por segurança". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia