Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de novembro de 2016. Atualizado às 16h53.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

25/11/2016 - 21h55min. Alterada em 27/11 às 17h55min

Protesto em Porto Alegre une manifestantes contra Temer e pacote de Sartori

Manifestantes percorreram ruas e ocuparam pontos que são ícones no Centro

Manifestantes percorreram ruas e ocuparam pontos que são ícones no Centro


PEDRO BRAGA/JC
Alberi Neto
A manifestação de rua nesta sexta-feira (25), no Centro Histórico de Porto Alegre, uniu opositores da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55 e do pacote de reformas do governador José Ivo Sartori. O ato faz parte do Dia Nacional de Lutas, organizado em todo o País por movimentos de esquerda.
Na Esquina Democrática, tradicional palco de protestos da capital gaúcha, reuniram-se no final da tarde estudantes de ocupações universitárias, secundaristas e dos institutos federais, além de servidores federais e estaduais. Os alvos foram a PEC que estabelece um teto para os gastos públicos para os próximos 20 anos e as medidas do governo estadual que preveem extinção de fundações e mudanças na Constituição Estadual para venda de estatais, como CEEE e Sulgás.
Faixas pediam o fim da “PEC do fim do mundo” - como foi apelidada pelos contrários a medida – e anunciavam que “os estudantes não pagarão pela PEC”. O Dia Internacional de Combate a Violência contra Mulher, que ocorre nesta sexta, também foi lembrado. As mulheres saíram à frente da caminhada pelas ruas. Entre os gritos de protesto, frases como “trabalhador, preste atenção, são vinte anos sem saúde e educação”, “vem para rua contra a PEC” e “nem recatada, nem do lar, a mulherada está rua para lutar” chamavam a atenção de quem passava pela avenida Borges de Medeiros.
Um caminhão de som serviu de palanque para os discursos das entidades e partidos políticos. Entre os movimentos, estavam a União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), União da Juventude Socialista (UJS), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Central Única dos Trabalhadores (CUT). O ato ganhou reforço frente aos anteriores com a incorporação da ala estadual. Servidores ligados à Fundação de Economia e Estatística (FEE) empunhavam cartazes pedindo “mais pesquisa e menos Sartori”. A FEE está na lista das que podem ser fechadas, caso o Legislativo aprove os projetos que já começaram a tramitar.
Empregados da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), do Centro dos Professores do Estado (CPERS-Sindicato), do Sindicato dos Servidores da Justiça (SindjusRS), da Fundação Zoobotânica (FZB), entre outras, estiveram no ato, além de sindicalistas da Associação dos Servidores da Ufrgs (Assufrgs) e Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa). Pouco depois das 19h30min, a massa seguiu em caminhada pelas ruas do Centro. A EPTC e o Batalhão de Choque da Brigada Militar acompanharam o deslocamento.
Confira a galeria de imagens (Pedro Braga/JC)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia