Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

Alterada em 23/11 às 23h46min

Lorenzoni diz que resistiu a 'pressões terríveis' sobre pacote anticorrupção

O relator Onyx Lorenzoni (DEM-RS) disse que espera que a votação de seu parecer das medidas de combate à corrupção sejam votados só amanhã (24), no plenário da Câmara. Ainda na comissão, o relator disse que resistiu à desfiguração de seu relatório e reclamou de "pressões terríveis". Lorenzoni relatou que não aceitou "facilidades" e a "propostas de conveniência" que surgiram ao decorrer da formatação do texto.
"Não acatei o que tentaram me pedir hoje à tarde", contou aos parlamentares. Nesta noite, a comissão aprovou o parecer das medidas propostas pelo Ministério Público Federal. Segundo o relator, foram ao total 12 medidas aprovadas, já que os itens quatro e sete foram retirados parcialmente e o item nove foi suprimido totalmente.
Em entrevista, Lorenzoni disse que recebeu apenas a "pressões legítimas", mas não detalhou o conteúdo das pressões e de onde elas vieram. O relator disse que seria uma "maluquice" tentar aprovar anistia ao caixa 2 de campanha eleitoral no plenário principal.
Lorenzoni e o presidente da comissão, Joaquim Passarinho (PSD-PA), divulgaram uma nota repudiando a articulação para aprovar em emenda uma possível anistia ao caixa 2. Os deputados classificaram como "reprovável" qualquer ação para modificar o texto. "Conclamamos os nobres pares para a manutenção do espírito das normas já discutidas, votadas e aprovadas", diz a mensagem.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia