Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 17h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

16/11/2016 - 18h50min. Alterada em 16/11 às 18h51min

Gilmar Mendes e Lewandowski batem boca durante julgamento no Supremo

Bate-boca entre os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski ocorreu nesta quarta-feira

Bate-boca entre os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski ocorreu nesta quarta-feira


NELSON JR./SCO/STF/Divulgação/JC
Folhapress
A votação de um recurso extraordinário sobre incidência ou não de contribuição previdenciária sobre adicionais e gratificações temporárias, como terço de férias, adicional noturno e adicional de insalubridade, terminou com bate-boca entre os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski nesta quarta-feira (16) no STF (Supremo Tribunal Federal).
A discussão começou quando Lewandowski chamou de "coisa mais heterodoxa" a posição de Gilmar de pedir vista após ter proferido seu voto.
Gilmar rebateu a provocação, dizendo que é Lewandowski quem adota posições "heterodoxas", como teria feito no Senado -alusão ao julgamento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em agosto.
"Basta ver o que vossa excelência fez no Senado", disse Gilmar. "Basta ver o que vossa excelência faz diariamente nos jornais", respondeu Lewandowski.
"Vossa excelência retire o que disse, vossa excelência está faltando com decoro não é de hoje. Eu repilo, repilo qualquer... Vossa excelência me esqueça", disse Lewandowski.
Com o clima tenso, a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, interrompeu a discussão e suspendeu o julgamento do recurso em razão do pedido de vista de Gilmar.
O relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, defendeu a tese de que não incide contribuição previdenciária sobre verba não incorporável aos proventos de aposentadoria do servidor público. Lewandowski votou acompanhando o relator. Gilmar divergiu do relator.
O trecho do julgamento que mostra a discussão entre os dois ministros já está circulando nas redes sociais:
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia