Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 08h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Urbanismo

Notícia da edição impressa de 03/11/2016. Alterada em 03/11 às 09h43min

Conselho do Plano Diretor aprova projeto Cais Mauá

Estudo de Viabilidade Urbanística da revitalização ainda precisa ser homologado pelo prefeito

Estudo de Viabilidade Urbanística da revitalização ainda precisa ser homologado pelo prefeito


JC
Guilherme Kolling e Patrícia Comunello
O projeto de revitalização do Cais Mauá avançou mais uma etapa. O Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) do empreendimento foi aprovado, por maioria, no Conselho Municipal do Plano Diretor de Porto Alegre. A decisão saiu na terça-feira à noite, depois de um mês de tramitação no colegiado. Agora, o texto segue para o prefeito José Fortunati (PDT).
O Conselho do Plano Diretor fez recomendações ao consórcio Cais Mauá do Brasil, vencedor da licitação. A principal é que seja incluído novamente no projeto o rebaixamento da avenida João Goulart, em frente à Usina do Gasômetro, formando uma grande esplanada verde, unindo o final da Rua da Praia à orla do Guaíba.
O consórcio não é obrigado a seguir a orientação. "Os técnicos da Secretaria Municipal do Urbanismo (Smurb) ainda vão analisar se é possível. Mas, de uma maneira geral, os empreendedores seguem as orientações do Conselho do Plano Diretor", observa o titular da Smurb, José Luiz Fernandes Cogo.
O secretário destaca que o projeto do Cais Mauá é de extrema importância para a cidade, aguardado há anos, e foi muito debatido pelo colegiado, com diversos esclarecimentos. Por isso, comemorou a aprovação da matéria após várias sessões no conselho.
A revitalização do Cais Mauá vai acontecer em três etapas. Na primeira, está prevista a restauração dos armazéns do Cais, uma área de 37 mil metros quadrados. A segunda fase é a construção de três torres, de 100 metros de altura, 90 metros e 50 metros, na área das docas. A terceira e última etapa é o shopping de 75 mil metros quadrados ao lado da Usina do Gasômetro.
O secretário de Urbanismo projeta que, após a homolagação do prefeito, a Smurb deve concluir a análise do projeto executivo - referente à restauração dos armazéns - até o final do ano, se o empreendedor entregar a documentação solicitada.

Investimento deveria ter saído há tempo, diz Marchezan

Nelson Marchezan foi recebido por Fortunati para iniciar a transição
Nelson Marchezan foi recebido por Fortunati para iniciar a transição
Divulgação/jc
A transição do governo de José Fortunati (PDT) para o do futuro prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), começa na próxima semana. Na terça-feira, houve uma conversa inicial entre Marchezan e Fortunati. No encontro no Paço Municipal, começou a troca de informações - falaram de finanças do município a experiências pessoais. Por enquanto, o tucano é cauteloso ao projetar medidas na sua gestão. Mas comentou, em entrevista ao Jornal do Comércio, suas ideias sobre grandes projetos da cidade, como a revitalização do Cais Mauá e o Pontal do Estaleiro.
Jornal do Comércio - Os projetos do Cais Mauá e Pontal do Estaleiro passam por debates no Conselho do Plano Diretor. Qual é a sua avaliação?
Nelson Marchezan Júnior -
Porto Alegre perdeu a oportunidade, ali no Estaleiro, de ter feito investimentos há bastante tempo. Agora, temos um local utilizado para consumo de drogas, prostituição infantil... Trancou Porto Alegre muito tempo. A mesma coisa o Cais Mauá. Já poderia ter gerado investimentos, empregos, revitalizado o Centro a partir do Cais.
JC - Mas o projeto do Cais não é consenso. Há críticas ao modelo de shopping e torres.
Marchezan - Onde está a dúvida em pegar uma área nobre, com visão maravilhosa que a natureza nos deu, uma estrutura histórica que pode ser bonita?
JC - No caso do Estaleiro teve até plebiscito na cidade...
Marchezan - Desculpe, mas venderam mal... É um local inutilizado. Qual é o problema de uma obra lá? A cidade está caindo aos pedaços, serviços ruins, asfalto que não funciona, falta emprego, saúde, segurança. E a gente vai entrar em guerras ideológicas, porque eu sou contra empresário ganhar dinheiro? Empresário tem que trazer dinheiro para cá, gerar emprego. Vamos superar isso.
JC - Como pretende lidar com os questionamentos?
Marchezan - De forma objetiva, pragmática e racional. É o interesse público, não é o interesse ideológico, de um partido, ou um nicho que quer pegar uma bandeira. Isso é passado. Acabou. Interessa o que funciona.
JC - No Cais Mauá, se fala no rebaixamento da avenida João Goulart, formando uma esplanada da Rua da Praia até a orla.
Marchezan - Não conheço o projeto arquitetônico...
JC - O senhor é favorável que os projetos saiam do papel?
Marchezan - O mais rápido possível. Isso urge, as pessoas estão passando por dificuldades, o desemprego é gigantesco.
JC - O senhor falou muito em desburocratizar as licenças. Quanto tempo isso leva?
Marchezan - A ideia é reformular as secretarias, os processos internos e a estrutura jurídica de algumas áreas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia