Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de novembro de 2016. Atualizado às 21h28.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 28/11/2016. Alterada em 27/11 às 22h07min

Não basta criar, mas provar que é seu

Valdomiro Gomes Soares
Criatividade. Característica-chave para os empreendedores de qualquer natureza e tamanho. Num mundo onde coabitam a valorização de quem empreende e as preocupações com a segurança dos direitos conquistados, a duras penas, pelos trabalhadores, muito poucos são os que se preocupam com a segurança do seu trabalho criativo. Nem mesmo os idealizadores de produtos e serviços. O que se vê na prática de mercado, devido à negligência quanto ao registro, são situações das mais adversas, que, às vezes, beiram o ridículo e, pior, podem ser evitáveis. Não são raros os casos? Aliás, são até bem comuns, em que o inventor/empreendedor não faz o correto registro da inovação e, sendo surpreendido por alguém que o fez primeiro, é obrigado a pagar àquela pessoa para poder utilizar a sua própria criação.
Com o crescente empoderamento dos chamados youtubers, seja no ambiente digital ou físico, de fato, todo mundo pode criar o seu próprio canal e começar a divulgar os seus próprios conteúdos. Na maioria das vezes, eles serão úteis para alguém. Esta é uma realidade que a cultura colaborativa do compartilhamento nos impõe, para o bem e para o mal. Porém, especialmente para os casos de empreendedorismo inovador, a monetização de um negócio pode e certamente estará comprometida se houver veiculação das ideias sem estar garantido por um registro de marcas e patentes. Isso vale até mesmo para a simples escolha de um domínio na WEB.
Depois de acumular mais de 30 anos de atuação nesta área, se posso deixar-lhe um conselho, deixo apenas este: só compartilhe e divulgue a sua inovação após ter feito o registro devido, que só tem valor documental no país em que foi celebrado. A menos que você não tenha interesse em ganhar com a sua ideia, o ímpeto de uma divulgação desprotegida no "mundo real ou no virtual" é a certeza de muitos gastos com advogados para contornar o incontornável.
Presidente da Marpa
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia