Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 01h08.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 28/11/2016. Alterada em 28/11 às 02h11min

Valores vêm da família

Paulo Roberto Pithan Flores
As crises política e econômica que estamos atravessando têm raízes muito mais profundas do que apenas em erros deste ou daquele governo, deste ou daquele governante. Precisamos sair delas, obviamente, para o bem do desenvolvimento, da geração de emprego e renda e para tranquilidade de todos. Tenho certeza que, em algum momento, estaremos com essas dificuldades superadas ou, no mínimo, amenizadas. No entanto, pouco se vê de prático para debelar a maior crise que vivemos. A mãe de todas as crises. Jamais o Brasil atravessou um período tão conturbado no que se refere a valores e princípios morais e éticos. Perdemos nossa essência em algum ponto da História e ainda não tivemos capacidade de retomá-la. A sensação é que nos acostumamos com o errado e criamos, imaginariamente, a cultura de que tirar vantagem sempre, sem medir as consequências, é o que vale. Sociedades desenvolvidas também cruzaram por essas barreiras no passado, mas conseguiram se estruturar de tal forma que hoje desfrutam dos benefícios de viver em um lugar onde a lei vale para todos e onde tudo é respeitado.
Podemos afirmar que o Brasil precisa de um choque de educação. Mas onde começa essa educação? Entendo que a base de tudo se chama família. Pais e mães que não conseguem transmitir aos seus filhos valores sólidos de honestidade, respeito à autoridade e ao próximo, disciplina, entre tantos outros pilares para formar um cidadão de verdade, é porque também não receberam esses ensinamentos. Acaba tudo sendo transferido para a escola, que não supre a carência familiar. Ter um filho talvez seja a maior realização do ser humano. Em contrapartida, prepará-lo de forma correta e valorosa para o mundo é um desafio. Mas o único caminho que temos é investir pesado nas crianças do nosso País, salvá-las da lama da imoralidade e da total ausência de valores e princípios. Do contrário, seguiremos por muito tempo ainda falando em crises e escândalos de corrupção, achando que tudo isso é normal.
Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica/RS
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia