Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 24/11/2016. Alterada em 23/11 às 21h40min

Ajuste inadiável

Ricardo Antunes Sessegolo
A proposta de reforma do Estado encaminhada à Assembleia Legislativa pelo governador José Ivo Sartori (PMDB) é corajosa e inadiável, diante da calamitosa situação das finanças públicas do Rio Grande do Sul e, por isso, deve ser apoiada por todos os que verdadeiramente anseiam pela efetiva solução da grave crise que vivenciamos. O conjunto de medidas elencadas pelo governo visa assegurar os direitos da sociedade gaúcha que paga o preço decorrente da impossibilidade de atender as necessidades prioritárias da população, como segurança, educação e saúde, e de realizar investimentos em nossa deficiente infraestrutura de transporte e logística. Além disso, o pacote distribui o custo das medidas de ajuste de forma democrática, atingindo igualmente os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como o próprio setor produtivo. Ou seja, todos estão sendo chamados a dar a sua parcela de contribuição diante deste quadro que o governo define como de "Calamidade Financeira". Confiamos, agora, em que os deputados tenham sensibilidade para perceber a gravidade da crise e a consequente necessidade de providências estruturais para o seu enfrentamento, colocando o interesse público acima de eventuais postulações político-partidárias e não se submetendo às sempre previsíveis pressões das corporações. Afinal, é indefensável pretender que a administração pública continue a gastar mais do que arrecada, numa postura que está na contramão do que ocorre na atividade empresarial e nas próprias famílias, onde o equilíbrio entre receita e despesa faz parte da mesma equação de bom senso.
Presidente do Sinduscon-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia