Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de novembro de 2016. Atualizado às 22h08.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 22/11/2016. Alterada em 21/11 às 16h37min

Obama falará contra Trump se necessário

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou domingo, em Lima, no Peru, que não pretende se tornar um crítico constante do sucessor, Donald Trump. Obama reservou seu direito, porém, de falar contra eventuais políticas do republicano que, na sua avaliação, firam certos "valores ou ideias".
Nos EUA, há uma tradição de que os ex-presidentes não comentam em geral o cenário político, deixando espaço para que o sucessor governe. Obama disse que pretende seguir nessa linha em geral, lembrando inclusive a gentileza com que o ex-presidente George W. Bush o tratou durante a transição de poder. Ao mesmo tempo, o presidente democrata disse que, "como cidadão norte-americano", se importa "muito com nosso país", e se vê no direito de "defender" os valores e ideais em que acredita.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia