Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de novembro de 2016. Atualizado às 17h14.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

acidente

Alterada em 30/11 às 18h18min

Chapecoense divulga boletim médico e diz que Follmann tem estado mais grave

O quadro clínico do goleiro Follmann, que teve uma perna amputada, é o mais grave entre os três jogadores da Chapecoense que seguem internados em hospitais de Medellín, na Colômbia, em consequência da queda do avião que levava o elenco para a primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana.
De acordo com boletim médico emitido nesta quarta-feira pela Chapecoense, que é representada na Colômbia pelo médico Carlos Henrique Mendonça, Follmann pode ter o pé da outra perna amputado também. "Ainda assim, seu quadro é estável, apesar de requerer mais cuidados", diz o boletim médico.
"O zagueiro Neto, último dos resgatados está em estado crítico, mas estabilizado, oferecendo boas perspectivas de melhora", conta a Chapecoense. Já o lateral Allan Ruschel foi submetido a uma cirurgia da coluna vertebral, mas está com movimentos normais nos membros superiores e inferiores. "Apesar das múltiplas escoriações, e do estado crítico, está estabilizado e também oferece perspectiva de melhora", relata o clube.
A Chapecoense também tratou do estado de saúde do jornalista Rafael Henzel, que trabalha em uma rádio de Chapecó e é o outro brasileiro resgatado com vida. Ele teve um trauma torácico e uma fratura de perna. "O estado também é crítico, mas as perspectivas são otimistas", conta o clube.
Ainda de acordo com Mendonça, a maior preocupação é o risco de infecção, já que os ferimentos apresentavam nível alto de contaminação. "Ainda não há previsão sobre a alta dos pacientes, mas a equipe médica da Chapecoense tranquiliza a todos, já que a estrutura e os cuidados oferecidos estão sendo os melhores possíveis", garante a Chapecoense.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia