Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de novembro de 2016. Atualizado às 11h28.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

29/11/2016 - 12h32min. Alterada em 29/11 às 12h33min

Operação da PF combate fraude em financiamento de bancos na RMPA

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (29) a Operação Fides, que investiga esquema de gestão fraudulenta e operações irregulares em instituições financeiras para concessão de financiamento de veículos. Os prejuízos inicialmente constatados são estimados em mais de R$ 3 milhões.
As fraudes, detectadas contra a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, apontaram envolvimento de funcionários das instituições em um sistema de superavaliação de veículos para concessão de financiamentos. Contadores e técnicos em contabilidade participavam com a elaboração de documentos falsos para a comprovação de renda dos clientes. A diferença entre o valor do bem financiado e o seu preço de mercado ficavam com os fraudadores. Duas lojas de veículos, uma em Porto Alegre e uma em Alvorada, participavam do esquema criminoso.
Policiais federais cumprem oito mandados de condução coercitiva e dez de busca em Porto Alegre, Cachoeirinha, Alvorada e Porto Alegre, além do bloqueio de valores em conta corrente e apreensão de veículos. Muitos clientes fizeram uso também de outras vantagens alcançadas com os documentos falsos, como empréstimos pessoais, cartões de crédito e cheque especial.
São investigados os crimes de gestão fraudulenta de instituição financeira, obtenção de financiamento mediante fraude, formação de quadrilha, estelionato contra entidade de direito público, falsidade ideológica, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. As investigações tiveram o apoio da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia