Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de novembro de 2016. Atualizado às 08h43.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

Alterada em 22/11 às 09h46min

Operação da Polícia Federal combate divulgação de pornografia infantil

Ação cumpre mandados em 16 estados, entre eles o Rio Grande do Sul

Ação cumpre mandados em 16 estados, entre eles o Rio Grande do Sul


polícia federal/divulgação/jc
A Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira (22) uma operação de combate à rede de distribuição de pornografia infantil na chamada Deep Web. São cumpridos 70 mandados de busca e apreensão e de prisão em 16 estados.
Cerca de 300 policiais federais cumprem as ordens judiciais no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão, Pará e Amazonas.
A segunda fase da Operação Darknet investiga a participação de 67 pessoas na troca e na distribuição de fotos e vídeos com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. Durante as investigações da Operação Darknet II, em 2014, a Polícia Federal antecipou o cumprimento de sete ordens judiciais para evitar o possível abuso sexual de crianças no Paraná, Distrito Federal e Rio de Janeiro.
A investigação da PF utiliza ferramentas para identificar usuários da Dark Web, considerado um meio seguro de divulgação de conteúdos variados de forma anônima. A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia