Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 16h29.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

Notícia da edição impressa de 16/11/2016. Alterada em 16/11 às 16h05min

População de rua afasta transeuntes de viaduto Otávio Rocha

Atividades culturais no viaduto foram realocadas para área descoberta

Atividades culturais no viaduto foram realocadas para área descoberta


ANTONIO PAZ/JC
Isabella Sander
Era para ser um dia alegre, mas o Abraço ao Viaduto Otávio Rocha, promovido ontem por moradores e comerciantes da região, foi apenas a representação dos últimos oito meses no local. Muitas lojas nem abriram para participar do evento e, por outro lado, poucos frequentadores caminhavam para assistir às atrações. As atividades culturais, que costumavam ocorrer na parte inferior coberta do monumento, foram realocadas para a área descoberta, pois o espaço onde não chove está repleto de pessoas em situação de rua, com colchões e princípios de casas montadas.
Segundo o morador da região e organizador do evento, Auber Lopes de Almeida, a promoção do abraço foi um "ato de desespero" para divulgar a situação em que se encontra o viaduto Otávio Rocha. "Nossa ideia é recuperar esse espaço que está esquecido e abandonado pela população. Esse espaço é nosso, mas as pessoas estão ignorando-o", critica.
Almeida aponta que a insegurança causou a necessidade de ajustes na vida dos moradores e comerciantes da região. "Eu tenho uma vizinha que mora em um prédio em cima do viaduto e trabalha perto de casa. Um dia, um morador de rua disse que, a partir daquele dia, se ela quisesse passar pela escadaria com segurança, pagaria uma gorjeta diariamente para eles. Desde então, ela se vê obrigada a pegar uma lotação para andar duas quadras", lamenta. Conforme informações do morador da região, um mínimo de R$ 10,00 também é cobrado de motoristas que estacionam seus carros no local.
Almeida conta que a população de rua começou a aumentar a partir de março ou abril deste ano. "Antes, tinha um ou dois moradores de rua embaixo do viaduto. De uma hora para outra, começou a chegar uma Kombi branca regularmente para despejar pessoas ali, com colchões, roupas e instalações. Trazem de algum lugar que eu não sei qual é, e nem com qual interesse", afirma.
Apesar de não saber de quem é a Kombi, o morador da região acredita que pertença a alguma Organização Não Governamental (ONG) que, de acordo com a vizinhança, chegou a solicitar ao Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) que não lavasse mais aquelas calçadas, para não incomodar a população que lá vive. "Antes o DMLU fazia a lavagem duas vezes por semana e, hoje, não acontece mais. Quem passa por ali sente um cheiro horroroso", ressalta.
Comerciante de um sebo no local e presidente da Associação Representativa e Cultural dos Comerciantes do Viaduto Otávio Rocha (Arccov), Adacir José Flores estima uma queda no faturamento das lojas em mais de 70% desde que as pessoas em situação de rua se instalaram no viaduto. "Sábado costumava ser um dia em que vendíamos bem, porque todos estão de folga, mas teve sábado que o meu vizinho de loja, que trabalha com discos há 30 anos, não vendeu nem um centavo. Os compradores sumiram", pontua.
Casos de assalto são ouvidos cotidianamente por quem frequenta os arredores do monumento. "Durante a semana é muito comum ver as pessoas caminhando pelo canteiro central, correndo o risco de serem atropeladas, porque se passam pelo corredor, há delinquentes entre a população de rua que não têm dó nem piedade", destaca Almeida. Mesmo com esse cuidado, há quem seja assaltado à luz do dia. "Às vezes eu fico sabendo, mas não posso fazer nada, porque não tem o que fazer. Não passa policiamento por aqui, não sei para que serve a Guarda Municipal", reclama. Em tese, a Guarda Municipal existe para cuidar dos patrimônios municipais, como o viaduto Otávio Rocha.

Comerciantes apostam em diálogo com o novo governo

Diante do novo governo municipal, que assumirá a prefeitura em 1 de janeiro de 2017, a Arccov aposta no diálogo com o prefeito eleito, Nelson Marchezan Júnior, para tirar do papel o projeto de revitalização do viaduto Otávio Rocha. "Estamos buscando o compartilhamento desse projeto com a nossa entidade, a fim de tentarmos financiamento através da Lei de Incentivo à Cultura (LIC). Na semana passada, falamos sobre isso na tribuna da Câmara de Vereadores e obtivemos apoio de todos os líderes de bancada", comenta Flores.
Um documento foi entregue ao líder de governo na Câmara, vereador Kevin Krieger (PP), que já acenou com a possibilidade de marcar uma reunião com Marchezan até o final do ano. "Queremos ver se convidamos o novo prefeito para uma visita ao viaduto", informa o presidente da Arccov.
A entidade também procura eleger delegados nas assembleias temáticas do Orçamento Participativo, para que priorizem a revitalização. Junto com o Movimento Amigos do Viaduto e com moradores da região que participam de conselhos municipais, a Arccov já participa da temática de Desenvolvimento Econômico, Tributação, Turismo e Trabalho, e pretende eleger delegados na temática de Cultura.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Ana 16/11/2016 16h45min
Cada ida e volta ao trabalho se torna um sofrimento. Passar pelo viaduto é algo horrível todos os dias. Moro no final do viaduto e sou obrigada a passar por ali para ir ao trabalho. O cheiro é insuportável e sem falar na insegurança! Morro de medo de ser assaltada. O uso e a venda de drogas no local é feito sem restrições. Não é mas nem um caso de recuperar um local histórico, e sim termos segurança para ir e vir. Já vi assaltos,esfaqueamentos,cenas de sexo...um absurdo!
Francisco 16/11/2016 13h35min
Infelizmente governos frouxos deixaram acontecer isto, onde um empurra para o outro e não resolvem nada. Aquilo ali não é problema social, mas de polícia, pois tem tráfico, roubo, assaltos e coisas mais. Inventa de eu montar uma banquinha para vender qualquer coisa em qualquer calçada do centro e vem SMIC retirar. Mas morar na rua e atrapalhar um milhão de pessoas pode. Quero ver se o Marchezan tem peito de mandar aqueles desocupados irem embora.... mas aí vem os Direitos do Manos e cia.........
Nubem Medeiros 16/11/2016 10h33min
Que reportagem bem parcial. Não tem um morador de lá que foi ouvido? Não acredito!
joao carlos 16/11/2016 10h31min
Porto Alegre está entregue a sorte. Não bastasse a situação de insegurança, agora temos que conviver a volta dos camelôs, com mendigos e desocupados invadindo espaço público, como viadutos e até paradas de ônibus, que viraram abrigo de sem teto. Felizmente este Prefeito comunista está saindo. Um dos piores prefeitos que Porto Alegre já teve. Ineficiente, omisso, e que estragou tudo o que José Fogaça conseguiu fazer .Espero que o próximo prefeito tenha tolerância zero para com isto tudo!