Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de novembro de 2016. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

meio ambiente

Alterada em 11/11 às 18h01min

Samarco registrou pequeno tremor no dia 2 em área de barragem em Mariana

Um tremor de terra de baixa intensidade foi registrado por equipamentos da mineradora Samarco na área ocupada pela barragem que se rompeu em 5 de novembro do ano passado em Mariana. O registro é do dia 2, mas só foi divulgado nesta sexta-feira (11) pela mineradora.
"A Samarco confirma que, no último dia 2, foi registrado no acelerômetro instalado na área das barragens, um tremor de terra de baixa magnitude. Como parte de seu protocolo de segurança, a empresa esvaziou as áreas internas próximas das barragens por cerca de 1 hora, tempo necessário para uma inspeção visual de todas as estruturas. Após esse período, os trabalhadores que estavam no local retomaram normalmente suas atividades".
O texto diz ainda que "as estruturas da área de barragens da Samarco são monitoradas em tempo integral e, além do acelerômetro, o monitoramento é feito também por meio de radares, via satélite, piezômetros e inclinômetros. Todas as estruturas são monitoradas 24 horas/dia e estão estáveis. Não houve nenhum carreamento de rejeitos em função do tremor".
Nas investigações feitas tanto pela Polícia Federal quanto pelo Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público Estadual (MPE) sobre as causas do rompimento da barragem foi descartada a possibilidade de outros pequenos tremores de terra, ocorridos no dia da ruptura da barragem, em 5 de novembro de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia