Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de novembro de 2016. Atualizado às 23h22.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Patrimônio

Notícia da edição impressa de 11/11/2016. Alterada em 10/11 às 22h04min

Revitalização do viaduto Otávio Rocha segue sem recursos

Mobilização para valorizar um dos cartões-portais da Capital ocorre no dia 15

Mobilização para valorizar um dos cartões-portais da Capital ocorre no dia 15


JC
Suzy Scarton
Ainda não há previsão para o início da execução da revitalização do viaduto Otávio Rocha, no Centro de Porto Alegre. Iniciado em 2012, o projeto foi concluído em agosto de 2015 e apresentado pela Secretaria Municipal de Obras e Viação. No entanto, não há recursos disponíveis para investimento e, por isso, a Associação Representativa e Cultural dos Comerciantes do Viaduto Otávio Rocha (Arccov) buscou o espaço destinado à tribuna popular, na Câmara Municipal da Capital, para expor a situação.
Diante de uma plateia dispersa, Adacir José Flores, presidente da Arccov, expôs as dificuldades enfrentadas pelos cerca de 20 comerciantes, pelos oito permissionários e pelos moradores do entorno do viaduto. Além da falta de administração e de fiscalização, que permite que as lojas mudem de ocupantes sem aviso ou liberação prévia, há um acúmulo de pessoas em situação de rua que tomaram a avenida Borges de Medeiros como lar. "Precisamos de uma solução humana para essa situação crítica", argumentou.
Flores pediu o apoio dos vereadores para conseguir com que a próxima gestão da prefeitura compartilhe o projeto com a associação. "A Arccov tem condições jurídicas, além de legitimidade, uma vez que vivemos lá", observou. O presidente explicou ainda que houve conversações com o grupo Zaffari, que acenou a possibilidade de investir em torno de 30% do valor da obra. Além disso, acredita que seja possível financiar boa parte do valor por meio da Lei de Incentivo à Cultura, além da busca de parcerias com bancos como a Caixa Econômica Federal, o Banrisul e o Banco do Brasil. O valor do investimento na revitalização é de R$ 25 milhões.
O projeto, elaborado pela empresa Engeplus, prevê pinturas anti-pichaçãos, novas instalações elétricas e hidráulicas e correção dos problemas de infiltração. No entanto, não serão necessárias intervenções na infraestrutura do viaduto, que também contará com uma sala de segurança com câmeras, iluminação de lâmpadas LED e piso com adaptações para cadeirantes e deficientes visuais. As escadarias e banheiros, atualmente fechados, seriam recuperados.
A partir do compartilhamento, a intenção de Flores é iniciar a busca pelos recursos em março do ano que vem. Por enquanto, não há previsão para o começo dos trabalhos. Os vereadores Dr. Goulart (PTB), Adeli Sell (PT), Márcio Bins Ely (PDT), Fernanda Melchionna (P-Sol), Jussara Cony (PCdoB), Tarciso Flecha Negra (PSD) e João Carlos Nedel (PP) expressaram solidariedade à solicitação de Flores e se colocaram à disposição do presidente.
No dia 15, será realizada uma festa para comemorar os 84 anos do espaço. Chamado de "Abraço ao Viaduto Otávio Rocha", o evento terá, nas duas calçadas da avenida Borges de Medeiros, a partir das 16h, uma série de atrações culturais. A ideia dos organizadores é oferecer à comunidade a possibilidade de voltar a usufruir socialmente daquele que é considerado um dos cartões-postais de Porto Alegre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia