Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 23h05.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Notícia da edição impressa de 18/11/2016. Alterada em 17/11 às 23h56min

Empate no Beira-Rio derruba Celso Roth

Técnico não resistiu a empate contra a Macaca em casa e foi demitido ainda no vestiário após o jogo

Técnico não resistiu a empate contra a Macaca em casa e foi demitido ainda no vestiário após o jogo


VINICIUS COSTA/FUTURA PRESS/
A noite de futebol que começou feito um sonho para a torcida colorada - derrota do Vitória para o Santos e gol contra a Ponte Preta logo no começo do jogo -, teve seu fim como um pesadelo que colocou o Inter mais perto da segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O time apenas empatou com a Macaca por 1 a 1 no Beira-Rio, resultado que selou a demissão do técnico Celso Roth ainda no vestiário pós-jogo. O cenário é de terror: faltando três rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro, sendo que em duas delas o time joga fora de casa, o Colorado segue na zona de rebaixamento e vê a Série B cada vez mais perto.
O Inter entrou em imbuído da ideia de não deixar para muito tarde a definição do placar. E, assim, bastaram 12 minutos de jogo para o Colorado abrir o placar no Beira-Rio. Valdívia tabelou com Anderson e, na frente do goleiro, só deslocou Aranha para fazer o 1 a 0.
O controle da primeira etapa de jogo foi todo dos donos da casa. O Inter, porém, teve dificuldades em articular mais uma jogada de combinação da frente para ampliar o marcador. A Ponte Preta até que tentou ir à frente, mas o ataque da Macaca foi contido pela defesa vermelha, sem que o Colorado corresse grande perigo.
O técnico Eduardo Baptista colocou dois atacantes no intervalo e jogou o time à frente. As substituições funcionaram. Aos 10 minutos, Potker chegou na cara de Danilo Fernandes que saiu nos pés do atacante para salvar. No minuto seguinte, porém, não deu para o goleiro colorado. Após cobrança de escanteio, Antônio Carlos subiu sozinho na área gaúcha para cabecear e empatar o confronto.
Após o gol da equipe de Campinas, o nervosismo tomou conta das arquibancadas do estádio. Celso Roth colocou em campo Seijas e Aylon nos lugares de Valdívia e Sasha para ganhar na armação e na presença de área. O que sei viu, porém, foi uma equipe que, basicamente, fez uso de chutões para a frente e cobrou laterais direito na área adversária.
O mais perto que os gaúchos chegaram de marcar foi por meio de um chute forte de Nico López - que entrou no lugar de Anderson -, mas Aranha fez boa defesa. Após o fim da partida, as vaias dos 32 mil torcedores que foram ao Beira-Rio mostraram a tristeza do torcedor que, em boa parte, deixou o estádio dizendo não mais acreditar na recuperação da equipe na competição.
Minutos depois do fim do confronto, o vice-presidente de futebol Fernando Carvalho anunciou a demissão de Celso Roth do comando técnico da equipe."Estamos em uma situação delicadíssima. Hoje foi a pá de cal", afirmou em coletiva de imprensa. Enquanto isso, fora do estádio, revoltados torcedores promoveram quebra-quebra que exigiu ação da tropa de Choque da Brigada Militar.
Ao fim da noite de futebol em Porto Alegre, o 1 a 1 que o placar eletrônico do Gigante marcava, iluminava um caminho que se apresenta cada vez mais difícil de ser alterado.
Internacional 1 x 1 Ponte Preta
Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando e Geferson; Anselmo, Rodrigo Dourado, Eduardo Sasha (Aylon), Anderson (Nino Lopez) e Valdívia (Seijas); Vitinho. Técnico: Celso Roth.
Aranha; Nino Paraíba, Antônio Carlos, Douglas Grolli (Rhayner) e Breno Lopes; João Vitor, Matheus Jesus e Wendel; Felipe Azevedo (Wellington Paulista), William Pottker (Ravanelli) e Clayson. Técnico: Eduardo Baptista.
Árbitro: Héber Roberto Lopes (SC)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia