Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 09h25.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa do Brasil

16/11/2016 - 18h31min. Alterada em 16/11 às 18h51min

STJD tira mando do Grêmio em final por presença de filha de técnico em campo

O Grêmio pretende recorrer da decisão

O Grêmio pretende recorrer da decisão


Daniela Lameira/STJD/Divulgação/JC
Folhapress
O Grêmio perdeu o mando de campo da final da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG. Nesta quarta-feira (16), a 4ª Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) puniu o time gaúcho por conta da presença em campo de Carol Portaluppi, filha do técnico gremista Renato Gaúcho, ao final da partida contra o Cruzeiro. A decisão do título está marcada para 30 de novembro, em Porto Alegre.
A notícia foi confirmada pelo presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, ao UOL Esporte. O mandatário, porém, foi sucinto sobre o caso por enquanto. "Preciso me acalmar antes disso. Não vou falar agora", afirmou. "Mas aconteceu, eles julgaram lá", completou.
"Não creio que haja punição semelhante na história do futebol. Sempre levando-se em conta situações pessoais. Falaram que o Grêmio tinha chamado, que era uma questão midiática, que a Carol e seu pai queriam se promover. Essas coisas não procedem. Quero tranquilizar a torcida do Grêmio, todos têm o seu dia infeliz, hoje foi o dia infeliz da Comissão [Disciplinar do STJD]. Não há precedentes de uma punição como esta. Hoje vivemos coisas muito mais sérias em campo, agressões, violência. E uma questão como esta, que pode ser julgada tranquilamente, tomou uma proporção que não se refere ao ocorrido", disse o vice-presidente jurídico do Grêmio, Nestor Hein, à Rádio Gaúcha.
Carol foi ao banco de reservas do Grêmio nos momentos finais do confronto contra o Cruzeiro, no jogo de volta das semifinais. Chamada pelo pai, a jovem aguardou o fim da partida e entrou em campo na comemoração dos jogadores.
O departamento jurídico do Grêmio irá recorrer ao Pleno do STJD e pode alterar a decisão preliminar. O jogo da final marcado para Porto Alegre ocorrerá no dia 30 deste mês. A administração da Arena do Grêmio, inclusive, já preparava uma grande festa para a decisão.
"Não chegamos a cogitar de como ocorreria esta consumação da punição. Pensamos muito em reverter e temos amplas condições de fazer isso. É uma decisão absurda e extremada. Vamos procurar resolver isso, e se não resolvermos partiremos para uma outra estratégia. No momento, o que se vislumbra é o efeito suspensivo", acrescentou Hein.
Um dia após o jogo, o técnico adotou tom de brincadeira e chegou a afirmar que Carol "iria pagar" uma eventual multa aplicada ao Grêmio pela presença da jovem em campo. O departamento jurídico do clube também não acreditava em punição com perda de mando de campo.
A surpresa gremista se deu também porque a votação na comissão se encaminhava para aplicação de apenas uma multa. Contudo, os auditores alteraram a decisão e optaram pela de mando de campo.
Uma reunião nesta quinta irá definir a argumentação do recurso gremista. O clube aguardará novo julgamento em tempo hábil para a realização do jogo na capital gaúcha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Cristiam 17/11/2016 10h09min
É óbvio que esse bandão do STJD teria que aparecer. Estavam muito quietos...precisavam entrar no foco da decisão da Copa do Brasil.