Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 09h14.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Seleção Brasileira

16/11/2016 - 08h24min. Alterada em 16/11 às 08h24min

Seleção brasileira derrota Peru e fica perto da vaga na Copa de 2018

Renato Augusto definiu o placar da vitória

Renato Augusto definiu o placar da vitória


Ernesto Benavides/AFP/JC
A seleção brasileira encerrou sua temporada no início da madrugada desta quarta-feira (16) fazendo o que se esperava dela. O time que não perde desde a chegada de Tite bateu o Peru por 2 a 0 em Lima, chegou aos 27 pontos nas Eliminatórias e praticamente garantiu sua vaga na Copa do Mundo de 2018. A vitória que calou o barulhento Estádio Nacional não veio com uma grande apresentação, mas foi merecida para uma seleção que, nos últimos cinco meses, aprendeu o caminho para a Rússia.
Brasil e Peru não se enfrentavam em Lima havia nove anos, e a presença da seleção de Neymar mobilizou o país andino. Teve torcedor que saiu dos mais diversos cantos do Peru só para ter a chance de chegar perto dos jogadores brasileiros - e tentar uma foto que invariavelmente não conseguiam. A partida da noite passada era assunto em bares, lojas, restaurantes e a cada praça da capital. E tamanho interesse, claro, teria seu clímax no Estádio Nacional.
A torcida que lotou a arena tentou fazer do jogo um espetáculo efervescente, mas em campo o que se viu foi uma partida muito mais de intenções do que de chances claras de gol. Havia muita vontade do lado peruano, mas faltava qualidade - a ponto de o torcedor se contentar em vibrar com divididas, passes certos ou mesmo uma recuperada de bola junto à lateral.
A seleção de Tite foi mais criativa, mas também careceu de objetividade. Havia um toque de magia em lances de Neymar - ele arrancou um suspiro coletivo da torcida quando deu um passe por cobertura com a lateral do pé no primeiro tempo -, mas também havia uma cordilheira intransponível de peruanos à frente da área. Chegar ao gol de Gallese era uma tarefa difícil.
O Brasil só encaminhou a vitória quando a seleção passou a fazer o que Tite vive insistindo a cada entrevista. "O jogo coletivo potencializa as individualidades", ensina o treinador. No segundo tempo, o Brasil passou a atacar coletivamente. Renato Augusto, em determinado momento, parecia um daqueles antigos ponteiros-direitos.
Neymar não se importava em voltar até a defesa para ajudar a marcar e começar lá de trás a construir as jogadas ofensivas. Gabriel Jesus se movimentava de um lado a outro e obrigava Christian Ramos, sua sombra no jogo, a fazer o mesmo. E Philippe Coutinho era a alavanca que fazia essa engrenagem funcionar.
Partiu do meia do Liverpool as melhores jogadas da partida. Foi ele quem arrancou em desabalada velocidade no lance que abriu a contagem, em gol de Gabriel Jesus. A atuação do jogador foi tão destacada que Coutinho foi aplaudido pelos peruanos quando, cansado, foi substituído por Tite. Renato Augusto, após assistência do atacante do Palmeiras, definiu o placar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 16/11/2016 10h06min
MAS BAH TCHÊ, TÁ JOGANDO TRI BONITAÇO A SELEÇÃO !!!nnBem capaz tchê, que eu vou deixar escapar esta oportunidade de dar o meu pitaco sobre o jogão na madrugada de ontem, quando a nossa Seleção conseguiu jogar mais uma vez tri bonitaço e vencer por 2x0 o Peru lá em Lima.nnQuem diria que o Gaúcho Tite conseguiria em tão pouco tempo, reagrupar e reanimar a Seleção do Brasil com seu jeito tranqüilo e capacitado, alavancando com os seus selecionados a campanha de reação nas eliminatórias para Copa do da Rússia em 2018. nnEsta nossa Seleção está me enchendo os olhos de emoção, por que está lindo demais assistir as suas partidas, e notar que ainda temos muito futebol para fazer muitos brasileiros como eu ficar acordado para ver os atletas do Brasil jogar.nnÉ assim mesmo que a coisa deve funcionar dentro de uma equipe de futebol que quer ser vencedora e fazer história apenas jogando um futebol solidário, inteligente, rápido, leve, bonito, e com resultados encantadores.nnQue pena, que barbaridade, vamos ter que esperar até março de 2017, para ver uma nova partida desta nova e encantadora Seleção do Brasil. nnAbs. Dorian Bueno Google+, POA, 16.11.2016nn