Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de novembro de 2016. Atualizado às 15h23.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Grêmio

Notícia da edição impressa de 11/11/2016. Alterada em 11/11 às 16h26min

Sócios elegem presidente do Grêmio neste sábado

Romildo Bolzan e Raul Mendes (d) disputam o pleito gremista

Romildo Bolzan e Raul Mendes (d) disputam o pleito gremista


Antonio Paz e Marcelo G. Ribeiro/JC
Deivison Ávila
Neste sábado, o sócio gremista terá em suas mãos o poder para definir o presidente do clube nos próximos três anos (2017/2020). A eleição será realizada entre 10h e 17h, na Arena. Após passarem pelo crivo dos conselheiros, o presidente Romildo Bolzan Jr., da Chapa 1, tentará a reeleição diante do ex-jogador Raul Mendes, da Chapa 2. Ambos superaram a cláusula de barreira de 20% dos votos entre os mais de 300 membros do Conselho.
O processo eleitoral ganhou um ingrediente especial nesta edição. Com o time sem chegar a uma grande final há nove anos - foi vice-campeão da Libertadores de 2007 -, a votação se viu em meio às finais da Copa do Brasil, que ocorrem nos próximos dias 23 e 30 de novembro, contra o Atlético-MG. Em virtude disso, Bolzan optou pelo silêncio, não aceitou debater com o adversário e, na terça-feira passada, marcou uma coletiva para responder alguns questionamentos.
Seu oponente, cercado por ídolos e figuras ligadas à história do Tricolor, teve que aceitar a decisão da situação e seguir sua campanha questionando as vitórias obtidas pela atual gestão e alertando o sócio de que, pela primeira vez, o presidente terá um mandato de três anos. Raul Mendes foi lateral do clube na década de 1980 e tem como grande aliado em sua chapa Fábio Koff Jr., além de figuras como o ex-goleiro Danrlei e o capitão da conquista da Libertadores de 1983, Hugo de Léon.
A reportagem do Jornal do Comércio conversou com Mendes e acompanhou a coletiva de Bolzan. Confira, a seguir, os principais pontos abordados referentes à gestão do clube, o futuro da administração da Arena, futebol, títulos e política do clube. O resultado oficial com o nome do presidente e os membros do Conselho de Administração deve ser anunciado entre 18h30min e 19h30min, no auditório do Conselho Deliberativo.
Marca da gestão
Romildo Bolzan - Vamos qualificar ainda mais o clube. O Grêmio qualificará seu grupo, para disputar os campeonatos em condições de vencê-los. Teremos um time mais competitivo para isso. Estamos avaliando o processo e trabalhando. Não significa que estamos contratando. Temos um banco de dados aprofundado para que, no momento oportuno, façamos o que for preciso.
Raul Mendes - É preciso fazer um futebol com a cara do Grêmio, um futebol forte, um futebol campeão que, desde o primeiro minuto dos próximos três anos, consiga expressar isso através da conquista de títulos em todas as competições que o clube participe e, a partir daí, potencializar várias áreas, como o quadro de associados, o marketing, categorias de base, resolução da Arena, fazendo com que ela seja a casa do Grêmio. E, em especial, ao fim, ter um equilíbrio econômico e financeiro através de um futebol forte.
Arena
Romildo Bolzan - A gestão da Arena é uma questão adiantada, mas que não depende do Grêmio. Não temos mais divergências de preço, prazo, forma de negociação e das partes em questão de prover os financiamentos. Recentemente, foram julgados os recursos da recuperação judicial da OAS e não foram providos. Esta era uma das condições para o sucesso do processo. Ainda temos uma situação pendente. Parte dos empreendimentos terá que ser renegociada, o entorno, as compensações urbanísticas, porque os compromissos originais não foram feitos. Tem que ter uma negociação entre OAS, Ministério Público estadual, prefeitura e Karagounis (um dos interlocutores da OAS nas tratativas com o Grêmio). Este assunto deve ser resolvido até março.
Raul Mendes - Os contratos da Arena já sofreram por diversas gestões, todas as avaliações e possibilidades quanto à aquisição, modo de administrar e a verdade é que existe um contrato em vigor e ele deve e pode, a todo momento, sofrer as avaliações necessárias para que o Grêmio finalize o melhor para a instituição, revertendo em possibilidades ao associado, em ações de marketing. Ou seja, temos que fazer uma análise criteriosa para saber o que é melhor economicamente e não impactar negativamente o clube.
Futebol
Romildo Bolzan - Temos a perspectiva de dar uma sustentação mais forte ao futebol. Não é de graça que chegamos a uma situação de disputa interessante. Fizemos um esforço no ano passado, não vendendo jovens atletas, valorizando-os. Hoje somos a terceira potência no ranking dos clubes com maior patrimônio pela revista Forbes, e, dentro destes conceitos, está o elenco, a manutenção de jogadores, não aceitar vendas e criar condições que crescessem. Sabemos bem o que temos de bom e o que temos que qualificar. Além de estruturação e garantia do provimento próprio do clube, que seria de quatro anos, a crise brasileira e nosso processo impôs a necessidade de adequação. Chegaremos a uma adequação plena.
Raul Mendes - No momento em que se for contratar, tem que ter muito critério, muita avaliação dos nomes que virão para compor o elenco da equipe. Temos plena consciência e, dentro do nosso projeto, qualquer empresário conceituado poderá fazer negócio com a instituição, mas vamos ter pessoas qualificadas que consigam depurar e avaliar o que o empresário está nos dizendo, vendo se confirma a qualidade técnica, física e comportamental. Temos que ver se o perfil de determinado atleta se encaixa. Este é um critério que acaba melhorando as contratações, possibilitando menos erros, e tem muito mais chances de sucesso.
Eleições x final da Copa da Brasil
Romildo Bolzan - Evitamos ao máximo criar uma condição de utilização do cargo de presidente, e entendemos que as circunstâncias desta eleição, por conta da final da Copa do Brasil, poderiam gerar uma má interpretação e compreensão, um ambiente que prejudicasse o futebol. Esta é uma situação recorrente no Grêmio e foi acautelatória. Muito antes de não querer debate ou discussão, o único prejudicado desta posição sou eu, não é mais ninguém. Poderia debater, discutir os dados do Grêmio e nossos conceitos. Não gostaríamos de nos furtar disso, mas a circunstância se impõe pela situação. Eu peço desculpas pela posição e o único prejudicado sou eu.
Raul Mendes - Eu não acredito que as eleições possam interferir no foco da final da Copa do Brasil. Protocolamos um pedido de adiamento do processo eleitoral junto ao Conselho Deliberativo. No entanto, recebemos uma negativa dizendo que não havia possibilidade de prorrogar. No conteúdo do pedido, colocamos que o interesse maior é o Grêmio, não as eleições. Com a negativa, entendemos que este é o momento para falar das coisas que a gestão atual fez nos últimos anos, não nos últimos dias. O que está em jogo são os dois anos da atual gestão e, consequentemente, o que a gente espera para os próximos três anos. Se a atual gestão não está sendo boa em dois anos, imaginamos que ela não será em três. Serão cinco anos. O associado tem que ter consciência ao votar. É a oportunidade de mudar, se ele não está satisfeito com a gestão. Não existe torcedor que não esteja feliz com a possibilidade da conquista de um título. Neste ano, foram disputadas cinco competições e o Grêmio só chegou na final agora. Ano passado, não disputamos nenhum título.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia