Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Copa do Brasil

Notícia da edição impressa de 03/11/2016. Alterada em 03/11 às 00h52min

Grêmio volta à final após 15 anos

Jogadores do Tricolor comemoram a suada classificação para a decisão

Jogadores do Tricolor comemoram a suada classificação para a decisão


Murillo Carvalho/Agência Freelancer/jc
Deivison Ávila
Eram 15 anos sem chegar a uma final nacional. A última havia sido em 2001, quando veio o tetracampeonato da Copa do Brasil - e o último título de expressão do clube desde então. Depois disso, o Grêmio ainda decidiu a Libertadores, em 2007, contra o Boca Juniors, ficando com o vice-campeonato. O longo jejum de títulos pode acabar no dia 30 de novembro, quando ocorre o jogo da volta da grande final. Para chegar lá, o Tricolor não teve a mesma facilidade encontrada em Minas Gerais, onde venceu por 2 a 0. Em Porto Alegre, o Cruzeiro foi melhor em alguns momentos, mas, ineficiente no ataque, não conseguiu marcar. O empate em 0 a 0 garantiu o Tricolor na decisão, que terá mais um mineiro pela frente, desta vez, o Atlético.
Diante de uma Arena cheia, com 52.363 espectadores, os visitantes começaram a partida com uma marcação alta, buscando bastante o ataque. No entanto, a primeira chegada mais organizada foi do Grêmio, aos 16 minutos. Douglas avançou pelo meio e abriu na esquerda para Luan, que encontrou Marcelo Oliveira. Com pouco ângulo, o lateral gremista chutou por cima.
A resposta da Raposa veio aos 22 minutos. Ariel Cabral arriscou da intermediária e a bola bateu no travessão, assustando Marcelo Grohe. Aos 26, Arrascaeta cobrou falta próxima a linha da grande área e a bola passou muito perto da trave superior.
A etapa final começou na mesma batida: o Cruzeiro apostando na velocidade do ataque e o Grêmio cadenciando a partida. Aos seis minutos, Alisson recebeu na ponta esquerda, avançou e concluiu para boa de defesa de Grohe. A resposta gaúcha veio no minuto seguinte. Em jogada pessoal, Pedro Rocha se livrou do zagueiro e chutou, mas Rafael fez milagre. Na sequência, Douglas quase marcou um gol olímpico.
A troca de Pedro Rocha por Everton deu mais movimentação ao Tricolor. Em um desses lances, Everton acionou Ramiro na direita. Ele bateu firme e Rafael espalmou para a linha de fundo. Aos 22, Ramiro foi brecado dentro da área e a torcida pediu pênalti, mas o juiz mandou o jogo seguir.
Com mais posse de bola, a Raposa ciscou, mas não conseguiu furar a zaga gremista. Assim, os comandados de Renato Portaluppi controlaram o tempo e esperaram o apito final para comemorar a tão almejada classificação.
As finais serão nos dias 23 e 30. Os mandos de campo serão sorteados na CBF amanhã.
Grêmio 0 x 0 Cruzeiro
Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Douglas (Rafael Thyere), Ramiro (Jailson) e Pedro Rocha (Everton); Luan. Técnico: Renato Portaluppi.
Rafael; Lucas Romero, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique, Ariel Cabral e Robinho (Ábila); De Arrascaeta (Rafael Sóbis), Alisson e Willian (Alex). Técnico: Mano Menezes.
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia