Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de novembro de 2016. Atualizado às 15h15.

Jornal do Comércio

Vinhos e Espumantes 2016

COMENTAR | CORRIGIR

VINÍCOLAS

Notícia da edição impressa de 17/11/2016. Alterada em 18/11 às 16h17min

Routhier & Darricarrère, em busca de harmonia

Gostisa diz que todo vinho 
tem uma história para contar

Gostisa diz que todo vinho tem uma história para contar


VINHEDO ROUTHIER E DARRICARRERE/DIVULGAÇÃO/JC
Um projeto que busca, por meio da integração perfeita entre terroir e enologia, elaborar vinhos distintos dentro do estilo do velho mundo. Isso é o que norteia a Routhier & Darricarrère - Província de São Pedro, de Rosário do Sul, na região da Campanha. "Somos uma vinícola pequena, mas que pensa grande", conta Julio Gostisa, diretor comercial da vinícola, que tem capacidade de produzir 25 mil garrafas por ano.
Atualmente, o carro-chefe da empresa é o Salamanca do Jarau, vinho tinto da uva Cabernet Sauvignon. O diferencial do produto está no seu conceito de terroir extremo. São utilizadas apenas as leveduras presentes na casca da uva para a fermentação do vinho. "Foram utilizadas uvas de um único vinhedo em uma fermentação espontânea, isto é, sem adição de leveduras. O vinho fermentou com as leveduras que naturalmente existem na uva, chamadas de indígenas", explica o enólogo Anthony Darricarrère.
De cor vermelho rubi intenso translúcido, apresenta os aromas peculiares de fermentação das leveduras indígenas, frutas como ameixa vermelha, cereja e aromas terciários de couro e cedro. Na boca revela mais fruta, cacau e especiarias, como pimenta preta e noz moscada.
Além disso, o rótulo foi desenhado pelo artista plástico Gelson Radaelli. A figura representada nele é a Teniaguá, umas das personagens principais do conto "A Salamanca do Jarau", do escritor gaúcho Simões Lopes Neto. "Acreditamos que todo vinho tem uma história para nos contar", diz Gostisa.
O ano de 2016 foi positivo para a vinícola. Houve crescimento de aproximadamente 12% com relação a 2015. E a direção afirma que segue buscando parcerias com lojas especializadas. "Existem muitos produtos bons no mercado, e acreditamos que tem espaço para todos os produtos, sejam eles importados ou nacionais", avalia Gostisa.
Para 2017, a previsão é seguir na faixa de 8% a 10% de crescimento. Para alavancar ainda mais as vendas, neste mês, haverá renovação da loja de e-commerce da vinícola e novidades, com foco em clientes e distribuidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia