Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 29/11/2016. Alterada em 28/11 às 21h42min

Ministro José Serra defende maior liberação comercial do Mercosul

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, defendeu ontem uma maior liberação comercial entre países do Mercosul. Segundo ele, existem atualmente 80 medidas ou situações que dificultam o comércio entre os parceiros do bloco. Ao participar de evento da Fundação Getulio Vargas (FGV) que debateu a inserção do Brasil no comércio internacional, Serra afirmou que, a despeito dessas barreiras, não percebe grande resistência dos governos à maior abertura entre os membros do Mercosul.
Serra também ampliou sua análise aos demais países da América Latina, citando que as exportações da região devem cair mais de 5% em 2016, no quarto ano seguido de retração. No ano passado, a queda já tinha sido de 15%. "Temos, na América Latina, o pior desempenho em oito décadas, o que mostra que não é uma situação passageira", assinalou Serra, acrescentando que o comércio inter-regional deve cair 10% neste ano, muito devido à crise no Brasil.
Durante seu discurso, Serra afirmou ainda que as eleições na França e na Alemanha devem comprometer o ritmo das negociações do acordo entre Mercosul e União Europeia, apesar do empenho do governo no tema, considerado prioritário. "Não é um panorama que vá favorecer a aceleração", disse o chanceler, que também pediu um olhar não imediatista para as medidas que estão sendo tomadas pelo ministério.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia