Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 21h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 29/11/2016. Alterada em 28/11 às 19h18min

Confiança dos empresários do comércio gaúcho cresce 27,4% em novembro

Estabilização da atividade econômica melhora o ânimo dos varejistas gaúchos

Estabilização da atividade econômica melhora o ânimo dos varejistas gaúchos


MARCO QUINTANA/JC
Os resultados de novembro do Índice de Confiança do Empresário do Comércio do Rio Grande do Sul (ICEC) revelaram dados positivos tanto na comparação com o mesmo período de 2015 quanto em relação ao mês de outubro passado. O crescimento sobre o ano anterior foi de 27,4%, e de 3,1% sobre o mês anterior. "Os dados do ICEC revelam a continuidade do processo de recuperação da confiança do empresariado, com a interrupção na queda e estabilização da atividade econômica", afirmou o presidente da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande do Sul (Fecomércio-RS), Luiz Carlos Bohn. Os indicadores da pesquisa foram divulgados ontem pela entidade.
O ICAEC, que mede as condições atuais, registrou elevação de 52,8% na comparação com novembro de 2015 e de 3,8% sobre outubro passado, ficando em 57,9 pontos. O movimento de alta foi disseminado em todos os pontos analisados (economia brasileira, comércio e a própria empresa). As expectativas dos empresários do comércio (IEEC) seguiram a mesma tendência de alta observada há alguns meses, puxada mais uma vez pela estabilização no campo político e o avanço das medidas de controle fiscal. Aos 142,9 pontos, o indicador cresceu 32,8% sobre novembro do ano passado e 3,3% na comparação com outubro de 2016. "A mudança de governo refletiu numa melhora da evolução do indicador", ponderou Bohn.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia