Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 26 de novembro de 2016. Atualizado às 14h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 26/11 às 15h25min

Ministro do petróleo do Irã se diz esperançoso com acordo da Opep

O ministro do Petróleo do Irã reiterou neste sábado que está otimista de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode chegar a um acordo para um corte na produção, mas afirmou que só tornaria sua posição conhecida na reunião de quarta-feira.
A Opep deve discutir a proposta de corte na produção em cerca de 1,1 milhão de barris por dia quando se reunir. O objetivo é impulsionar os preços e reduzir os estoques.
Na última terça-feira, o Irã e o Iraque expressaram preocupação com a escala das reduções que seriam exigidas por parte deles. Depois disso, a Arábia Saudita cancelou sua participação na reunião de segunda-feira para discutir cortes coordenados com a Rússia e outros países fora da Opep, dizendo que o cartel deveria resolver suas diferenças primeiro.
Falando após a reunião com o ministro de Energia da Argélia, Nourredine Bouterfa, no Teerã, o ministro de petróleo, Bijan Zanganeh, disse que "a tendência geral e as sugestões públicas de que a Opep pode chegar a um acordo viável para sua produção e administração do mercado".
O Irã tem sustentado que quer impulsionar a produção para os níveis de antes das sanções, de 4 milhões de barris por dia. O Iraque disse que está pronto para se unir ao acordo, mas contesta alguns números.
Boouterfa também disse que os preços podem subir para entre US$ 55 e US$ 60 por barril no próximo ano caso o grupo chegue a um acordo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia