Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de novembro de 2016. Atualizado às 15h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 25/11 às 16h18min

Governo central tem superávit primário de R$ 40,814 bilhões em outubro

Com a entrada expressiva de recursos do programa de repatriação, o governo central registrou superávit primário de R$ 40,814 bilhões em outubro, o melhor desempenho para o mês da série histórica, que tem início em 1997. A última vez que o resultado mensal do governo central foi positivo foi em janeiro, quando somou R$ 14,835 bilhões.
Mesmo com o impulso da regularização de recursos do exterior, que arrecadou R$ 46,8 bilhões aos cofres federais, entre janeiro e outubro deste ano o resultado primário ficou deficitário em R$ 55,820 bilhões, o pior resultado da história. Em igual período do ano passado, esse mesmo resultado era negativo em R$ 32,928 bilhões.
O resultado de outubro ficou acima das expectativas do mercado financeiro, cuja mediana era de um superávit de R$ 25,250 bilhões, com intervalo de projeções entre R$ 10,800 bilhões a superávit primário de R$ 38,700 bilhões.
Em 12 meses, o governo central apresenta um déficit de R$ 84,6 bilhões.Para este ano, a meta fiscal admite um déficit de R$ 170,5 bilhões nas contas do governo central.
Com a repatriação, o resultado de outubro representa alta real de 33,1% nas receitas em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas tiveram queda real de 15,5%. No ano até outubro, as receitas do governo central recuaram 3,1% ante igual período de 2015, enquanto as despesas ficaram praticamente estáveis, subindo 0,1% na mesma base de comparação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia