Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de novembro de 2016. Atualizado às 12h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 24/11/2016. Alterada em 24/11 às 08h04min

Estaleiro Rio Grande demite cerca de 600 trabalhadores

A ação iniciou há cerca de um mês e não foi uma surpresa para os funcionários

A ação iniciou há cerca de um mês e não foi uma surpresa para os funcionários


ANTONIO PAZ/JC
Jefferson Klein
A empresa Ecovix, que administra o Estaleiro Rio Grande, deverá concluir até a próxima semana o desligamento de cerca de 600 empregados do complexo. De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande e São José do Norte, Sadi Machado, a ação iniciou há cerca de um mês e não foi uma surpresa para os funcionários.
O dirigente comenta que as demissões faziam parte do cronograma da empresa e estão dentro da sazonalidade do setor naval, agora com perspectiva de redução da demanda. Machado especula que a medida seja consequência da iminência da conclusão dos serviços realizados no casco da plataforma de petróleo P-68. A estrutura, após deixar o Estado, seguirá para o Estaleiro Jurong, em Aracruz (ES), para início das práticas de integração.
Esse processo compreende basicamente a instalação sobre o casco e a interligação de todos os demais módulos e equipamentos da plataforma. O casco da P-68 pesa 353 mil toneladas, tem 288 metros de comprimento, 54 metros de largura e 31 metros de altura e é idêntico aos cascos da P-66 e P-67 já entregues pelo Estaleiro Rio Grande.
Machado calcula que, após as demissões, a Ecovix manterá ainda mais 3 mil a 3,5 mil trabalhadores no município. Somando-se a mão de obra dos outros estaleiros da região, EBR e QGI, o número de empregos chega a aproximadamente 6,5 mil. Se as atuais demissões não foram uma surpresa, o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande e São José do Norte teme pelo futuro incerto do polo naval gaúcho. "Com o desmonte que está havendo da Petrobras, os estaleiros poderão ter que atender somente à iniciativa privada para fazer reparos e não mais novas plataformas", adverte Machado.
O dirigente comenta que muitos profissionais ligados ao segmento naval já estão procurando outras ocupações. O sindicalista recorda que no auge da atividade do polo naval, em 2013, chegou-se ao patamar de cerca de 24 mil postos de trabalho gerados. A reportagem do Jornal do Comércio não conseguiu entrar em contato com a Ecovix para comentar os cortes feitos pela companhia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Adriano M. Silva Junior 24/11/2016 11h25min
Conheço as instalações do Estaleiro Rio Grande. Trata-se de um dos maiores estaleiros do mundo e possui o terceiro maior dique seco em atividade no mundo. Deixar uma obra dessas ociosa é um crime, assim como o desmanche da Petrobrás. Espero que em 2018, apesar das mas intenções do juiz Moro, o ex-presidente Lula possa retornar para que obras como a em questão e outras como a Transposição do Rio São Francisco, já quase concluída, possa ser inaugurada.