Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 11h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 23/11 às 12h28min

Pedidos de auxílio-desemprego sobem 18 mil na semana nos EUA

Os novos pedidos de auxílio-desemprego tiveram crescimento de 18 mil na última semana nos Estados Unidos, passando de 233 mil (dado revisado, de 235 mil antes anunciado) para 251 mil na semana encerrada no dia 19, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam 248 mil novas solicitações.
Os pedidos têm se mantido em níveis historicamente baixos, o que sinaliza que o mercado de trabalho dos EUA deve continuar a gerar empregos, embora em ritmo modesto. O dado na semana encerrada no dia 12 estava noa patamar mais baixo desde 1973.
A média móvel nas últimas quatro semanas, calculada para minimizar a volatilidade do indicador, teve queda de 2 mil na última semana, para 251 mil, no nível mais baixo desde o início de outubro.
O patamar baixo de novos pedidos de auxílio-desemprego não necessariamente está relacionado a um forte aumento na geração de vagas. Desde 2014, quando os ganhos de vagas estavam em média acima de 250 mil ao mês, o ritmo desacelerou para 181 mil até agora neste ano, mesmo com as novas solicitações perto de mínimas históricas.
O relatório divulgado nesta quinta-feira também mostrou que os pedidos continuados de auxílio-desemprego, daqueles que recebem o benefício há mais de uma semana, subiram 60 mil, para 2,043 milhões na semana encerrada no dia 12. Esse dado sai com uma semana de atraso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia